Na cidade turística mais importante do Estado de Goiás, sucessão de crianças indo para a UTI está apavorando população


A última foi Lorrayne (foto) que está acompanhando seu filho na UTI em Goiânia
A última foi Lorrayne (foto) que está acompanhando seu filho na UTI em Goiânia

A cidade é Caldas Novas (165 km de Goiânia) que está vivendo um verdadeiro caos em várias áreas e na área da maternidade municipal em menos de 02 semanas, duas crianças foram parar na UTI e uma acabou morrendo. A causa disso tem sido apontado por todas as gestantes é do atendimento, ou seja, a demora no parto está matando crianças e levando outras direto para UTI e segundo a maioria o principal responsável é o ginecologista e obstetra Atenevir Teles da Silva que já responde por homicídio e falsidade ideológica e mesmo assim com cumplicidade da administração municipal ainda atende no principal hospital maternidade da cidade que recebe centenas de mães toda semana. No dia 10 de abril de 2014 o médico foi indiciado pela delegada de polícia civil da delegacia da Mulher de Caldas Novas pela morte de Ortenizia da Costa Dias, de 30 anos. Ela morreu após complicações de um problema pulmonar que, no entendimento da titular da Delegacia da Mulher (DEAM) de Caldas Novas na época, Sabrina Leles de Lima Miranda, poderia ter sido evitado. Ortenízia estava com oito meses de gestação e chegou ao hospital com problemas para respirar. O médico, conforme o inquérito, solicitou exames que confirmaram mancha no pulmão da paciente. “Mas o médico não prescreveu tratamento específico e ainda orientou que ela continuasse com os medicamentos para pressão alta e diabetes. Logo após, a paciente sofreu parada respiratória e o responsável não realizou a cirurgia de emergência para retirada do feto”. Ortenízia morreu e o foi enterrada com a criança ainda na barriga. O médico também alterou o laudo em datas e horários o que foi descoberto pela polícia na época. O secretário de comunicação anunciou o afastamento do médico no dia que a delegada o indiciou e publicou nos principais jornais sua exoneração. Bom, a poeira abaixou e o médico voltou a atuar na cidade e só estas duas semanas fez três vítimas. A última foi Lorrayne (foto) que está acompanhando o seu filho em uma UTI em Goiânia após um parto mal feito e cheio de erros. Ninguém ainda se manifestou sobre os casos que estão assustando a cidade, principalmente as gestantes do município.




Fonte - Plantão Policial

Postar um comentário

0 Comentários