TRF determina que Cachoeira e Cavendish voltem para a prisão

Por unanimidade, os três desembargadores da 1ª Turma Especializada do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2), no Rio de Janeiro, decidiram hoje (27) que o empreiteiro Fernando Cavendish, ex-dono da Construtora Delta, e o empresário Carlos Augusto de Almeida Ramos, conhecido como Carlinhos Cachoeira, retornem para a prisão. A decisão se estende aos empresários Adir Assad e Marcelo Abbud e para o ex-diretor da Delta, Cláudio Abreu. ...

Os cinco foram presos na Operação Saqueador, no dia 30 de junho, e levados para o presídio de segurança máxima Bangú 8, no Complexo de Gericinó, mas foram liberados para cumprir prisão domiciliar por decisão liminar do Superior Tribunal de Justiça (STJ). 

Cavendish cumpre a medida em sua casa, no Leblon, na zona sul do Rio, e Cachoeira num hotel em Copacabana, também na zona sul. A Justiça tinha determinado que os dois e os outros três réus, que moram fora do Rio, permanecessem na cidade até que o julgamento do mérito pelo TRF2.

Cavendish, Cachoeira e mais 20 acusados são réus em ação que corre na 7ª Vara Federal Criminal do Rio. De acordo com o Ministério Público Federal, o grupo participava de um esquema que desviou R$ 370 milhões de obras feitas pela Delta Construtora para 18 empresas fantasmas que pertenciam a Assad e a Marcelo Abbud, em São Paulo, e também a Carlinhos Cachoeira.

As investigações apontaram que, após repassados pela Delta a empresas de fachada, os valores eram sacados em dinheiro para impedir o rastreamento da propina entregue a agentes políticos.

Supremo autoriza transferência de Funaro para presídio em Brasília


O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, determinou hoje (27) a transferência do doleiro Lúcio Funaro da carceragem da Polícia Federal em Brasília para Penitenciária da Papuda, também no Distrito Federal. Funaro está preso desde o dia 1º deste mês, quando foi alvo da Operação Sépsis.

Lewandowski atendeu ao pedido de transferência feito pela defesa do doleiro. Os advogados disseram ao Supremo que foram informados pela Polícia Federal que o investigado seria transferido para uma sala da polícia localizada no Aeroporto de Brasília, devido a um problema no encanamento da cela atual. Ao decidir a questão, Lewandowski, que está no plantão de recesso do STF, entendeu que a medida atentaria contra os princípios da integridade física e de segurança do preso.

Prisão

De acordo com as investigações, Funaro atuava como operador financeiro do deputado federal afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) no recebimento de propina de empresas interessadas na liberação de verbas do Fundo de Investimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FI-FGTS). O suposto esquema foi delatado pelo ex-vice-presidente de Fundos de Governo e Loterias da Caixa, Fábio Cleto, que também é investigado.

Após a prisão, o advogado de Funaro, Daniel Gerber, disse à Agência Brasil que o doleiro não tem participação nos fatos. “Lúcio Funaro é inocente das acusações que o delator lhe imputa e irá provar inocência no curso do processo. Assim que tivermos acesso aos autos, esperamos demonstrar este equívoco ao ministro e ao Supremo Tribunal Federal.


Fontes - DOUGLAS CORRÊA - DA AGÊNCIA BRASIL/GAMA LIVRE e André Richter - Repórter da Agência Brasil
Leia também em www.agencisatelite.com.br

Postar um comentário

0 Comentários