ATUALIZAÇÃO - Viventi Home Care: Atendimento está garantido

Gama Livre 


"Na luta entre o mar e o rochedo quem sofre é o marisco. Na briga entre o GDF e a Viventi Home Care quem sofre é o paciente e sua família"

A foto foi adiciona a esta postagem às 15h45 desta quarta (28/12). Significa que, por enquanto, o atendimento está garantido. Vamos ver se a coisa é resolvida de uma vez por todas, pois não é possível as famílias e pacientes viverem um sobressalto a cada mês.

A jovem que foi removida ontem para o HMIB já retornou para o seu lar no Recanto das Emas.

Resta saber ainda se a empresa regularizou a certidão cadastral junto à Secretaria de Saúde do DF, para que pudesse receber parte dos valores a que tinha direito.

Ninguém em Brasília desconhece o caos geral em que a saúde pública está metida. Mais apropriado dizer: no caos em que os pacientes foram jogados.

O governo não acerta o passo, muito menos consegue cumprir promessa de campanha. Aquela que dizia que dinheiro não faltava, mas tão somente gerência. De gerência em gerência, a saúde já experimentou algumas. E dizem que a atual está para ser despachada. Rotatividade gerencial alta, organização ineficiente.

Familiares de pacientes atendidos pelo sistema home care foram surpreendidos no Natal com a possibilidade imediata de suspensão dos serviços da Viventi Home Care Hospital Domiciliar, e a consequente internação em hospitais, o que seria um desastre. Não fosse a mobilização dos familiares junto à imprensa, redes sociais, ao Ministério Público, Defensoria Pública, Justiça, a esta hora 41 pacientes estariam em alguma sala de hospital, longe do carinho de seus parentes e, claro, com um serviço de menor qualidade que o que ocorre com o serviço domiciliar.

Na troca de chumbo entre a Viventi e o GDF, as balas perdidas, que são todas elas, atingem os pacientes de home care e seus familiares. Deus queira que essas balas não se tornem mortais.

A Viventi tenta convencer os parentes de pacientes que a suspensão decorre de calote (falta de pagamento) do GDF. Já a Secretaria de Saúde do Distrito Federal afirmou ontem (27/12) ao Gama Livre “que o recurso para pagamento da dívida com a empresa Goiânia Home Care Viventi está disponível aguardando somente a empresa regularizar a certidão cadastral para receber os débitos em aberto. A empresa já foi comunicada sobre a necessidade dessa regularização.”

Enquanto a Viventi fala em dívida de mais de R$3 milhões, a Secretaria afirma que essa é de “aproximadamente” R$2 milhões, sendo R$1.829 milhão referente a agosto e setembro de 2016 e R$111 mil, de novembro de 2016, referente a dois pacientes judicializados (assistidos por força de decisão da Justiça).

Ainda segundo a Secretaria de Saúde, apenas uma paciente deixou de ser assistida pela Viventi, passando aos cuidados do Hospital Materno Infantil de Brasília (HMIB). E mais, “sem prejuízo ao tratamento”. Evidente que aí (quanto ao prejuízo ou não ao tratamento) pode haver um equívoco. A família da paciente mora no Recanto das Emas, portanto a cerca de 23 quilômetros do HMIB. A presença da família junto ao paciente é, sim, um fator de conforto para o paciente. De qualidade para o tratamento. E estando a uma distância dessa, certamente haveria prejuízo.


Fonte - Gama Livre

Postar um comentário

0 Comentários