Rodoviários suspendem paralisação de 24 horas prevista para esta 5ª

MICHAEL MELO/METRÓPOLES

Donos das empresas apresentaram nova proposta de acordo salarial e a categoria vai aguardar assembleia no domingo para decidir

Os rodoviários decidiram suspender a paralisação de 24 horas prevista para esta quinta-feira (21/9). Os donos das empresas de ônibus apresentaram uma proposta que será analisada pela categoria. Os empresários ofereceram reajuste de 5% nos salários, no tíquete-alimentação e na cesta básica, além da correção de 13% nos planos de saúde e odontológico.

Segundo Jorge Farias, presidente do Sindicato dos Rodoviários, a paralisação foi suspensa como um voto de confiança na retomada das negociações. Entretanto, a assembleia marcada para domingo (24) está confirmada. A decisão de aceitar ou não o acordo será dos cobradores e motoristas. Caso não concordem, pode ser decretada greve por tempo indeterminado.

Duas reuniões ocorreram nesta quarta (20). Um com os empresários e outra com a Secretaria de Mobilidade. O objetivo é evitar que a categoria cruze os braços e 850 mil pessoas fiquem sem transporte público.

Em nota, o Sindicato dos Rodoviários destacou que “o avanço obtido hoje não encerra o processo de negociação. As duas categorias continuarão as tratativas para chegar ao acordo final. A assembleia de domingo fica mantida e a greve de segunda também. O sindicato entende que ainda precisa melhorar alguns itens da proposta, mas tendo havido os avanços fica suspensa a paralisação do dia de amanhã.”

Com a suspensão da paralisação, as faixas exclusivas das estradas parque Taguatinga (EPTG), Núcleo Bandeirante (EPNB), W 3 Sul e Norte e Setor Policial Sul não serão liberadas.

Impasse
Patrões e empregados voltaram a negociar depois do fracasso das conversas intermediadas pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT). Na segunda (18), o sindicato e a Associação das Empresas de Transporte Público e Coletivo do DF (Transit) e os rodoviários debateram a última proposta apresentada pela desembargadora Maria Regina Machado Guimarães.

O acordo previa 4,75% de reajuste salarial, 5% de aumento no tíquete-alimentação, 5,5% na cesta básica, 13,55% no plano de saúde e 13,55% no plano odontológico.

A proposta foi apresentada em audiência na sexta (15). Os trabalhadores reivindicam reajuste com ganho real sobre a inflação, além de aumento no valor de tíquete-alimentação, cesta básica, plano de saúde e plano odontológico. As empresas, no entanto, alegam não ter condições de arcar com aumento superior ao percentual de reposição da inflação, já concedido à categoria em julho.


Fonte - Metrópoles

Postar um comentário

0 Comentários