Em Manaus, retroescavadeiras viram coveiros e famílias têm 5 minutos para enterrar parentes

Manaus registrou 213 enterros na sexta-feira (15/1), o mais novo recorde de sepultamentos diários desde o começo da pandemia

HUGO BARRETO/METRÓPOLES

Enviados especiais a Manaus – Quatro minutos e 58 segundos. Esse foi o tempo exato – desde a autorização do coveiro à colocação da coroa de flores na sepultura – que Alexandre Pereira, de 32 anos, teve para se despedir da mãe, vítima da Covid-19, na tarde de sábado (15/1), no cemitério Nossa Senhora Aparecida, em Manaus (AM).

Durante esse tempo, Alexandre assistiu de perto a um pequeno grupo de sete funcionários do cemitério levar o caixão para uma das covas da nova ala para vítimas da Covid-19, que fora aberta minutos antes, por uma retroescavadeira. O caixote é posto no buraco, e logo a máquina é acionada novamente para encobrir a vala com terra.

Antes, no entanto, o filho, que segurava a coroa com flores amarelas e rosas em uma das mãos, se agachou, pegou um pouco da terra molhada (chovera por alguns minutos no início da tarde em Manaus), e jogou sobre o caixão.

Em seguida, foram necessárias apenas nove dentadas da retroescavadeira, feitas em um período de três minutos e 15 segundos, para encobrir a vala recém-aberta. Foi o tempo necessário para Alexandre trocar uma das flores rosas de lugar, em um último detalhe, e deitar a coroa sobre o monte de terra.

Toda a cena foi acompanhada pela tia e pelo irmão de Alexandre, que gravou um vídeo para registrar a despedida e repassar a parentes, uma vez que um decreto publicado pela prefeitura de Manaus restringiu a entrada de pessoas nos cemitérios para apenas três parentes por vítima. Famílias chegam a recorrer a videochamadas.

“Já imaginou se alguém falasse para você que teria apenas cinco minutos para enterrar sua mãe?”, questiona Alexandre, ao enfatizar que “mãe é mãe”, ou seja, única. “O que eu poderia falar diante do parente enterrado nesse tempo? Só um amém”, prossegue o filho, que diz sentir uma dor inexplicável.

Com nome e sobrenome de santa, Maria de Fátima, a mãe de Alexandre, tinha 58 anos e sonhava em se aposentar para “viver a velhice” no interior do Amazonas, em Canutama, uma cidade com pouco menos de 16 mil habitantes, onde ela nasceu e cresceu. O desejo dela, no entanto, foi interrompido pela Covid-19.

Maria de Fátima morreu na madrugada de sábado, internada no Hospital Delphina Aziz, na zona norte da capital do Amazonas, para onde foi transportada diretamente da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Campos Sales, na zona oeste. Ela morreu por insuficiência respiratória, após faltar oxigênio na capital.

Além de Maria de Fátima, outras 201 pessoas foram sepultadas ao longo de sábado, em Manaus, segundo dados da prefeitura. Dessas, 102 foram vítimas da Covid-19. O número total só não é maior que o registrado na sexta-feira (15/1), quando 213 enterros foram registrados na capital, recorde desde o início da pandemia.

Hugo Barreto/Metrópoles

O número de mortes pela doença tem crescido diariamente, com o aumento de casos do novo coronavírus, e a consequente elevada taxa de ocupação nos hospitais da capital, onde ambulâncias são usadas como leitos de UTI e pacientes são tratados em casa. E tudo isso agravado pela escassez de oxigênio, suprimento essencial para o tratamento da Covid-19.

O sistema de saúde de Manaus colapsou, literalmente. Pacientes estão sendo transferidos a outros estados devido à falta de oxigênio na capital – o que ajuda, inclusive, a abrir espaço nos hospitais para um cada vez mais difícil tratamento da doença. Nas portas das unidades de saúde, famílias pedem desesperadamente por socorro.

Esse drama também tem feito parte da rotina da jovem Stéfany Anselmo, de 20 anos. Ela enterrou a avó, Lídia de Souza, de 67, vítima da Covid-19, no fim da tarde de sábado, no cemitério Nossa Senhora Aparecida, a poucos metros de distância da cova onde foi enterrada Maria de Fátima, a mãe de Alexandre.

Lídia de Souza, no entanto, já era aposentada, e cuidou da neta por todo o tempo em que estiveram juntas – sobretudo quando Stéfany ganhou uma filha, há um ano e três meses. A mulher estava internada desde o último dia 10 de janeiro no hospital Platão Araújo, após ser diagnosticada com o novo coronavírus.

“Ela vai fazer muita falta”, sintetiza a neta, com um rosto lavado por lágrimas, ao interromper a conversa para pegar de prontidão o lenço que estava sobre o ombro dela e que um forte vento acabara de levar. O pano, branco com desenhos cor-de-rosa, pertencia à filha de Stéfany, o maior elo que tem com a avó.

Stéfany, por sua vez, teve pouco tempo a mais que Alexandre para se despedir da avó: cinco minutos e nove segundos. Além do decreto, a velocidade dos enterros tem sido necessária para que os funcionários do cemitério, mesmo armados com retroescavadeiras, consigam finalizar as dezenas de sepultamentos no dia.

O coveiro Ulisses Xavier, de 52 anos, é testemunha da tragédia do novo coronavírus na capital amazonense. Ele conta que, hoje, atua no sepultamento de aproximadamente 60 pessoas por dia, mas teve ocasião em que chegou a enterrar até 140 corpos em 24 horas. Antes da pandemia, era difícil esse número passar de 15.

Hugo Barreto/Metrópoles

“Tenho 16 anos como coveiro, e essa é a primeira vez que vejo tantos sepultamentos de uma só vez, e tanto sofrimento das famílias”, conta o profissional, enquanto, atrás dele, uma retroescavadeira se movimenta para abrir nova vala e enterrar mais uma vítima do novo coronavírus.
“Nosso trabalho é cavar e enterrar, apenas. Hoje, a pá é apenas um apoio, pois, como a demanda é alta, a gente não está podendo cavar manualmente, porque a espera vai ser maior. Daí, ela [a retroescavadeira] cava, ‘arreia’ e enterra. Quando acabar tudo [essa pandemia], as retroescavadeiras vão embora”, relata.
Ao lado da ala mais nova para Covid-19 – ao menos outras duas foram criadas no cemitério para receber vítimas da doença –, carros funerários fazem fila para entregar os corpos dentro dos caixões. Os veículos que chegaram ao longo da tarde transportaram, cada um, até quatro caixotes.

O trabalho também tem sido árduo para as funerárias. É o que conta o motorista de um desses carros, Claudionor de Souza, de 53 anos. “Estamos vindo bem mais vezes ultimamente, pois a demanda está cada dia maior. Trabalho há oito anos. Em todo esse tempo, só em abril [tivemos tanto sepultamento desse jeito].”

Além dessas covas, o cemitério Nossa Senhora Aparecida iniciou a construção de gaveteiros para receber mortos por Covid-19. Até sábado, foram construídas 336 sepulturas verticais. A Prefeitura de Manaus, no entanto, espera construir, no total, 22 mil vagas – até quando será necessário pensar em outra solução.

Fonte - Metrópoles

Postar um comentário

0 Comentários