Page Nav

HIDE

Últimas notícias:

latest

CAMPANHA - COMBATE A DENGUE


Acusado de matar mulher em matagal diz que conhecia vítima “de vista”

Na maior parte do tempo, o suspeito preferiu ficar calado na delegacia. Segundo a 33ª DP, nas poucas vezes em que falou, negou o crime


Preso na madrugada desta terça-feira (25/1), o homem de 34 anos suspeito de ter matado Eliuda Velozo, 35, no último sábado (22/1), afirmou não ser responsável pelo crime e que conhecia a vítima apenas “de vista”. Ele é morador de Santa Maria e ainda não teve a identidade revelada.

Conforme conta a delegada-chefe da 33ª DP (Santa Maria), Cláudia Alcântara, o acusado “inicialmente negou tudo” e também “fez uso do direito constitucional de ficar calado”.

O corpo de Eliuda passa por autopsia no Instituto Médico Legal (IML). A PCDF apura ainda se a vítima foi estuprada e a causa da morte.

Contato com a família era raro
Segundo Wilame Silva Velozo, 37, um dos irmãos de Eliuda, ela não tinha parentes em Brasília, mas sempre usava o telefone de uma colega para manter contato com a família. “Essa colega era dona de um comércio pequeno que ela sempre tomava café e pedia almoço. Usava o telefone de lá para ligar para nós quando dava saudade”, comentou o irmão.

Wilame revelou que soube da morte da irmã por telefone. “Essa colega notou que Eliuda tinha sumido e suspeitou que ela tinha sido vítima de crime. Ligou para o número do Maranhão que Eliuda costumava ligar e passou a informação para nós. Eu entrei em desespero, e conseguimos confirmar que era ela mesmo”, lamenta Wilame.

A família quer sepultar a mulher no Maranhão. O traslado do corpo custa mais de R$ 11 mil. Quem quiser ajudar a família com qualquer quantia pode encaminhar o dinheiro via PIX: (98) 99157-1722.

Para mais informações, os familiares disponibilizaram o telefone 61 9866-9402 (Wilame).

O corpo de Eliuda foi encontrado pelo Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal deitado de bruços e com um ferimento profundo na cabeça. A mulher estava de saia jeans e blusa, mas as vestimentas estavam levantadas.

De acordo com a família da vítima, a mulher deixou quatro filhos no Maranhão para morar em Brasília com um companheiro. No entanto, esse homem teria sido preso e, depois, ela se juntou a uma outra pessoa.

“Ela era uma pessoa muito boa. Sempre trabalhou muito, mas acho que ela entrou em depressão quando o relacionamento dela não deu certo. Como ela estava longe dos familiares, a gente acha que ela se entregou. Usava drogas, bebia muito e se envolveu com pessoas que fizeram mal a ela”, explicou um dos irmãos.

Fonte - Metrópoles

Nenhum comentário




Latest Articles