Alemão morador de apartamento que explodiu em São Conrado morre

Ele estava internado no Centro de Tratamento de Queimados do Pedro II. Médicos chegaram a tentar reanimar paciente, mas Markus não resistiu.


O alemão Markus Muller morreu na madrugada desta quinta-feira (28) no Hospital Pedro II, em Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio, como informou o Bom Dia Rio. Ele era morador do apartamento que explodiu em São Conrado, na Zona Sul, no dia 18. Os médicos tentaram reanimá-lo, mas não conseguiram. Markus Muller teve mais da metade do corpo queimado e estava internado no Centro de Tratamento de Queimados da unidade.

O Consulado da Alemanha no Rio de Janeiro informou ao G1 que tem acompanhado o caso envolvendo Muller desde o dia do acidente, mas não passou mais nenhuma informação por considerá-las sigilosas.


Nesta quarta (27), o diretor do Instituto de Criminalística Carlos Éboli Sérgio William informou que a explosão foi causada por um acidente em uma instalação de gás da cozinha. O problema teria acontecido na peça conhecida como rabicho — cano de ferro que faz a ligação da tubulação de gás que fica na parede do prédio com o aparelho.

Segundo médicos do primeiro hospital para onde foi levado, o Miguel Couto, no Leblon, Markus disse que foi torturado por um assaltante e que esse criminoso teria feito ameaças de explodir o apartamento. O diretor da unidade afirmou que Markus estava agitado e repetia a mesma história.

Médicos constataram cortes no corpo do alemão e concluíram que eles foram provocados por um objeto cortante, como facas. As câmeras de vigilância do Edifício Canoas, entretanto, só mostraram Markus chegando sozinho ao seu imóvel na noite antes da explosão.

O diretor Sérgio William disse ainda que uma sobreposição nos azulejos das paredes pode ter contribuído para a má instalação do aparelho de gás.Perícia no apartamento.

Segundo os peritos do ICCE, o que aconteceu no prédio de São Conrado foi um acidente provocado pela a má instalação no rabicho de gás. “Se comprova pelo aspecto da fita que não houve uma fixação até o final. Isso foi impedido tecnicamente pelo alongamento que existe entre a instalação e a parede para poder o rabicho ficar perfeitamente fixado e atarraxado”, afirmou William.

“O que a gente conseguiu verificar, porque o setor de criminalística esteve no local, que em outras paredes e nesta que não existia mais, tinha azulejo sobre azulejo. Nesta confecção você consegue diminuir o espaçamento para atarraxar. A peça engana, porque ela cobre a conexão entre a parede e o rabicho”, relatou o diretor do ICCE.

William afirmou também que a peça encontrada no apartamento que faz a ligação entre o equipamento de gás é nova. “Pelo aspecto [do rabicho] e pelo selo, é uma peça nova”, contou o diretor. A investigação do acidente está sendo realizada na 15º DP (Gávea).


Feridos
A explosão aconteceu no dia 18 de maio e causou a destruição de apartamentos do Edifício Canoas, na Rua General Olímpio Mourão Filho, em São Conrado, na Zona Sul do Rio. Vários apartamentos foram danificados e quatro pessoas ficaram feridas — uma foi encaminhada para o hospital Miguel Couto, no Leblon, na Zona Sul, e três foram atendidas no local pelos bombeiros.


Fonte - G1/RJ

Postar um comentário

0 Comentários