Motorista de ônibus é preso suspeito de estuprar 24 mulheres em Ceilândia

REPORTER JBR - 


Tainá Morais
taina.morais@jornaldebrasilia.com.br

O sufoco e o medo de algumas mulheres da região de Ceilândia podem ter chegado ao fim na tarde desta segunda (6). A polícia suspeita que, desde 2014, um motorista de ônibus, de empresa não identificada, aterrorizava diversas vítimas na cidade. Paulo Roberto dos Santos é suspeito de ter praticado, pelo menos, 24 estupros. De acordo com a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), as vítimas que registravam a ocorrência relatavam as mesmas características do detido. “Foi através disso que conseguimos identificá-lo”, conta o delegado-chefe da 23ª Delegacia de Polícia, Victor Dan.

O motorista, que foi preso em seu local de trabalho, por volta das 13h de hoje, costumava agir sempre na volta do trabalho para casa. A preferência dos locais em que os crimes seriam praticados era, normalmente, onde não havia iluminação. Segundo o delegado, entre essas 24 vítimas, 10 não quiseram denunciá-lo. “Elas têm medo do que pode acontecer. Em 16 casos ele já foi indiciado e queremos que algumas outras se manifestem, em caso de reconhecimento, e se encaminhem até a delegacia”, diz o delegado.

Paulo costumava fazer as abordagens em uma moto e de roupa preta. Ele pedia informações sobre algum endereço. Era nesse momento que as mulheres eram surpreendidas pelo suspeito, que as ameaçavam e, em seguida, fingia estar armado com uma arma de fogo, mas, na verdade, ele utilizava um martelo de construção em sua cintura. “Por conta das ameaças e da suposta arma, as vítimas automaticamente ficavam com medo e acabavam cedendo às exigências”, explica Dan.

Ainda segundo informações do delegado, o suspeito não tinha preferência de idade entre as vítimas. “Uma delas, inclusive, tem apenas 16 anos de idade”.

O homem foi localizado pela polícia após denúncias e por seu retrato falado. No terminal de ônibus localizado na M’Norte, onde ele trabalhava, a polícia encontrou a moto que ele utilizava nos crimes. Em sua residência, foram encontradas as roupas, luvas e o martelo que usava para ameaçar as vítimas. A corporação informou que o suspeito negou a autoria dos crimes. “Ele alega que é usuário de crack e que não se recorda de todas essas ações, mas acabou confessando que a última vez foi há um mês, aproximadamente”, finaliza o delegado.

O suspeito é casado, possui dois filhos e não tinha passagens pela polícia. Ele foi encaminhado para a 23ª DP, onde foi autuado por estupro. Se condenado, poderá cumprir até 100 anos de reclusão, sendo 10 por cada estupro cometido.


Fonte - Jornal de Brasília

Postar um comentário

0 Comentários