Telma é diplomada, mas Jaqueline pode ficar com a vaga


“Quem espera sempre alcança”. Com humildade e confiança, mas, sem deixar a luta, equipe de Jaqueline Silva consegue reverter entendimento do TSE e está prestes a conseguir a vaga na Câmara Legislativa do Distrito Federal. 

Resultado de imagem para jaqueline silvaMesmo com a diplomação da deputada reeleita Telma Rufino (PROS), a vaga na Câmara legislativa parece ficar mesmo com Jaqueline Silva (PTB), que conseguiu na última terça-feira (18) duas grandes vitórias no TSE. 

Na primeira, os argumentos apresentados pela defesa conseguiram convencer os ministros que mudaram o entendimento da sessão anterior, quando a Jaqueline e outros 30 candidatos perdiam pelo placar de 5 a 1, e deferiram a validade da sua filiação pelo placar de 6 a 1. Já na segunda, o ministro Og Fernandes, acolheu monocratimente as filiações dos demais candidatos do partido. Com isso, a agora Jaqueline Silva aguarda somente a recontagem dos votos pelo TRE, para que ela possa sagrar-se eleita deputada distrital, na vaga, possivelmente, a ser deixada por Telma Rufino. Antes, porém, ela precisar ingressar com ação no TRE para que o tribunal casse a diplomação de Telma o que poderá demorar algum tempo. 

Depois da decisão final da corte e ao final da solenidade de diplomação, era visível a decepção e tristeza demonstrada pela deputada Telma Rufino, que preferiu ‘buscar auxilio divino” para justificar o ocorrido. “Deixo nas mãos Dele. Tudo o que faço, o meu mandato, minha vida, é de Deus. E se Ele achar que não é para eu ficar, vou entender que Ele tem algo melhor à minha espera”. 

Após a decisão final da corte, a agora eleita Jaqueline Silva afirmou que aguardará a oficialização do resultado e a notificação ao TRE da decisão para ser diplomada, mas, em uma das poucas vezes que se pronunciou, demonstrou estar bastante feliz com a decisão do TSE. “Estou me sentindo muito feliz, com a certeza de que Deus é fiel e que a verdade prevalece. Tínhamos a consciência de que nossa filiação tinha sido feita dentro do prazo”, declarou. 

A novela 
Após dois pedidos de vista e três sessões, o ministro Og Fernandes, relator do caso, reformou seu entendimento, sendo seguido pela maioria dos magistrados. Ele acatou um documento no qual constava, antes do dia 5 de abril deste ano (seis meses antes do prazo para concorrer às eleições), informação que confirmava a filiação de Jaqueline. 

Ele justificou a mudança dizendo não poderia prejudicar Jaqueline por erros do partido. “A candidata não poderia ser prejudicada por problemas do partido. Documento protocolado no sistema do TSE no dia 12 deste mês mostra que a candidata do PTB aparecia como filiada ao partido desde 5 de abril”. 

Na última semana, a Corte eleitoral havia formado maioria de 5 a 1 contra ela. Entretanto, um pedido de vista da presidente Rosa Weber abriu novo prazo para análise, o que resultou na mudança da decisão dos demais ministros. Apenas Admar Gonzaga manteve posição contrária. 

A história política de Jaqueline 
Jaqueline Ângela da Silva, que disputou a quarta eleição em 2018, exerce liderança política em Santa Maria. Começou sua carreira política em 2006, quando se candidatou pela primeira vez ao cargo de deputada distrital, aonde obteve 1.165 votos. Em 2010 concorreu novamente ao cargo obtendo 4.858 votos. Incentivada pela equipe, marido e também pelo filho, ela concorreu novamente em 2014 e desta vez, os votos recebidos saltou para 9.444, chegando perto da cadeira no Legislativo (ficou na suplência, coincidentemente, de Telma Rufino). Concorrendo pela quarta vez, Jaqueline chegou aos 13.044 votos (que estavam sob judice) e agora, após entendimento jurídico, aguarda somente alguns tramites legais para ser diplomada deputada distrital.


Fonte - Agencia Satélite


Postar um comentário

0 Comentários