DISTRITO FEDERAL Policial penal lotado na Papuda testa positivo para coronavírus

Outros dois servidores que trabalham no CIR, onde estão cerca de de 2 mil presos, farão o teste nesta sexta-feira (03/04)


Um policial penal lotado no Centro de Internamento e Reeducação (CIR), no Complexo Penitenciário da Papuda, testou positivo para o coronavírus. A Subsecretaria do Sistema Penitenciário (Sesipe), órgão vinculado à Secretaria de Segurança Pública, recebeu o resultado nessa quinta-feira (02/04) e informou que o servidor está afastado do trabalho, aguardando a contraprova.

O CIR abriga cerca de 2 mil detentos. Entre eles, os que estão no semiaberto, mas sem benefício ao trabalho. A reportagem apurou que outros dois policiais lotados no mesmo local farão o teste nesta sexta-feira (03/04). Alguns familiares desses servidores estão com suspeita da doença e também passaram por exames.

Ao todo, os presídios do DF têm mais de 17 mil presos. Na tentativa de impedir o avanço do coronavírus nas cadeias e distensionar o sistema prisional, a Vara de Execuções Penais (VEP-DF) do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) estabeleceu critérios para liberação de presos: a progressão regular de regime, ou seja, que já liberaria os detentos para voltar a suas respectivas residências por terem cumprido a pena; e a progressão antecipada, motivada pelo avanço da doença no DF.

A vara acolheu parcialmente pedido da Defensoria Pública para conceder prisão domiciliar antecipada aos presos que teriam esse regime alcançado nos próximos 120 dias. A intenção é evitar a infecção de coronavírus em pessoas saudáveis que cumprem pena, tendo em vista que os apenados do regime semiaberto já tinham contato com o mundo externo e poderiam estar infectados.

A Sesipe ressaltou, por meio de nota, que “tem tomado medidas necessárias para resguardar os agentes e exercer o dever do Estado de garantir o bem-estar dos sentenciados”. Destacou que todo servidor que chega para trabalhar nas unidades prisionais com sintomas de gripe é liberado para retornar para casa.

Além disso, informou que as transferências de presos da Divisão de Controle e Custódia de Presos (DCCP), localizada na sede da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), no Parque da Cidade, para o Centro de Detenção Provisória (CDP) ou Penitenciária Feminina do Distrito Federal (PFDF), estão ocorrendo uma vez por semana. Anteriormente, eram feitas duas vezes a cada sete dias.

Ainda de acordo com a Sesipe, ao chegar às unidades prisionais, todos passam por triagem, que inclui vacinação e avaliação, realizada por equipe de saúde composta por médicos, enfermeiros e outros profissionais da área. Segundo a subsecretaria, essa medida também foi intensificada para identificação de possíveis casos de contaminação pelo coronavírus.

Foi estabelecida, ainda, a quarentena pelo período de 14 dias aos presos recém-chegados às unidades prisionais. Somente após esse período eles são encaminhados para a convivência comum com outros detentos.

A subsecretaria destacou também que, caso o interno apresente sintomas da doença, a equipe médica faz avaliação para verificar se haverá necessidade de encaminhamento para o hospital ou isolamento em uma cela em separado. Um consultório específico para tratar pacientes com sintomas da doença foi montado no CDP.

Na semana passada, conforme mostrou o Metrópoles, presos do Centro de Progressão Penitenciária (CPP), no SIA, gravaram um vídeo pedindo prisão domiciliar. Com rostos cobertos, os detentos denunciam condições precárias do local e dizem temer o contágio pelo coronavírus. Segundo os internos, há pessoas com sintomas da doença no local. No mesmo dia, os agentes fizeram uma operação com o objetivo de localizar o celular usado pelos internos. Um grande efetivo policial foi mobilizado no local.

Visitas suspensas
As visitas aos presídios do Sistema Penitenciário do Distrito Federal seguem suspensas por mais uma semana. O último prazo estabelecido pela Sesipe venceu nesta sexta-feira (03/04).

A medida, em vigor desde 12 de março, tem caráter preventivo e está alinhada às ações do Governo do Distrito Federal (GDF) voltadas para a prevenção do contágios pelo novo coronavírus.

Casos no DF
O GDF divulgou, na manhã desta sexta-feira (03/04), mais um boletim sobre o coronavírus no Distrito Federal. O número de casos em relação à noite de quinta-feira (02/04) se manteve em 400. Dos pacientes, 18 estão em estado grave. Entre eles, a primeira mulher a ser diagnosticada com a doença na capital do país. A vítima de 52 anos segue internada em uma área isolada no Hospital Regional da Asa Norte (Hran). São cinco mortes. A mais recente de um sargento da PM.

O Plano Piloto continua liderando as estatísticas, com 116 casos. Em segundo lugar, vem Lago Sul, com 57, e Águas Claras, com 49. Sudoeste aparece na sequência, com 31 e outros estados (26). A incidência maior está na faixa etária entre 30 a 39 anos (29,8%). Acima de 60 anos, são 14,2%.

Dos pacientes, 147 se recuperaram. E a maioria — 257 — contraíram a infecção leve. São casos em que o paciente não apresenta pneumonia, fica em isolamento domiciliar e tem acompanhamento da Secretaria de Saúde.

Já as infecções moderadas/graves indicam os internados em leitos gerais dentro de hospitais. Eles sentem falta de ar, mudança na frequência respiratória e problemas na saturação de oxigênio no sangue.

REPRODUÇÃO


Fonte - Metrópoles

Postar um comentário

0 Comentários