Polícia Funcionário público é preso em Manaus por estuprar a enteada de apenas 10 anos

Foto: Carlos Soares

Equipes de investigação da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), sob o comando da delegada-geral Emília Ferraz e coordenação da delegada Joyce Coelho, titular da Especializada, cumpriram, em razão de sentença condenatória, mandado de prisão, na manhã desta terça-feira (7), em nome de um funcionário público estadual de 32 anos de idade, pelo crime de estupro de vulnerável.

O crime foi cometido no ano de 2013 e teve como vítima a enteada, que, na época, tinha 10 anos. A prisão foi efetuada na residência do infrator, no bairro Jorge Teixeira, Zona Leste da capital.

De acordo com a delegada, na época em que o homem era padrasto da vítima, costumava fazer “massagens” nas partes intimas da criança, praticando, portanto, diversos atos libidinosos com ela. Os abusos sexuais foram descobertos após a menina relatar os fatos. Na ocasião, a família fez a denúncia.

“Em setembro de 2017, o indivíduo foi condenado a 12 anos de reclusão, pela Vara Especializada em Crimes Contra a Dignidade Sexual de Crianças e Adolescentes, porém, ele recorreu da decisão em liberdade. A sentença foi confirmada em fevereiro de 2018, pelo Tribuna de Justiça, que manteve a condenação de 12 anos de reclusão. Na época, foi expedido o Mandado de Prisão para início de cumprimento de pena, entretanto, ele só foi preso na manhã desta terça-feira, após diligências feitas pela equipe de investigação para localiza-lo”

Segundo a autoridade policial, a ordem judicial em nome do indivíduo foi expedida no dia 5 de fevereiro de 2018, pelo juiz José Hamilton Saraiva dos Santos, da Primeira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas.

Procedimentos

O homem foi condenado a 12 anos de prisão pelo crime de estupro de vulnerável. Após os procedimentos cabíveis, ele será encaminhado à Central de Recebimento e Triagem (CRT) e ficará à disposição da Justiça.


Fonte - Manaus Alerta - Com informações da Polícia Civil

Postar um comentário

0 Comentários