Page Nav

HIDE


Últimas notícias:

latest

CAMPANHA - COMBATE A DENGUE


“UTIs estão lotadas”, diz Celina Leão sobre epidemia de dengue no DF

Vice-governadora, Celina Leão se reuniu com representantes do Ministério da Saúde e da rede privada para pedir apoio no combate à dengue


Breno Esaki/Metrópoles @BrenoEsakiFoto

As unidades de terapia intensiva (UTIs) do Distrito Federal estão lotadas por causa da epidemia de dengue que já matou 109 pessoas na capital federal. Segundo a vice-governadora Celina Leão (PP), as pessoas estão contraindo a doença e apresentando uma piora severa em poucos dias.

“Todos os hospitais do DF estão lotados. As UTIs estão lotadas. O recado que nós deixamos é para não subestimar a dengue. A dengue de agora leva o paciente a uma situação de coma em 24h”, disse Celina em coletiva de imprensa, no Palácio do Buriti, nesta quarta-feira (13/3). A coletiva foi realizada após uma reunião da número 2 do GDF com representantes do Ministério da Saúde e da rede privada de hospitais do DF.

A intenção, segundo Celina, é padronizar o atendimento dos pacientes com dengue, nas redes pública e privada de saúde no DF.

Para completar o tratamento, é recomendado repouso e ingestão de líquidos. Já no caso de dengue hemorrágica, a terapia deve ser feita no hospital, com o uso de medicamentos e, se necessário, transfusão de plaquetas 


A dengue é uma doença infecciosa transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti. Com maior incidência no verão, tem como principais sintomas: dores no corpo e febre alta. Considerada um grave problema de saúde pública no Brasil, a doença pode levar o paciente à morte 

O Aedes aegypti apresenta hábitos diurnos, pode ser encontrado em áreas urbanas e necessita de água parada para permitir que as larvas se desenvolvam e se tornem adultas, após a eclosão dos ovos, dentro de 10 dias 

A infecção dos humanos acontece apenas com a picada do mosquito fêmea. O Aedes aegypti transmite o vírus pela saliva ao se alimentar do sangue, necessário para que os ovos sejam produzidos 

No geral, a dengue apresenta quatro sorotipos. Isso significa que uma única pessoa pode ser infectada por cada um desses micro-organismos e gerar imunidade permanente para cada um deles -- ou seja, é possível ser infectado até quatro vezes 

Os primeiros sinais, geralmente, não são específicos. Eles surgem cerca de três dias após a picada do mosquito e podem incluir: febre alta, que geralmente dura de 2 a 7 dias, dor de cabeça, dores no corpo e nas articulações, fraqueza, dor atrás dos olhos, erupções cutâneas, náuseas e vômitos 

No período de diminuição ou desaparecimento da febre, a maioria dos casos evolui para a recuperação e cura da doença. No entanto, alguns pacientes podem apresentar sintomas mais graves, que incluem hemorragia e podem levar à morte 

Nos quadros graves, os sintomas são: vômitos persistentes, dor abdominal intensa e contínua, ou dor quando o abdômen é tocado, perda de sensibilidade e movimentos, urina com sangue, sangramento de mucosas, tontura e queda de pressão, aumento do fígado e dos glóbulos vermelhos ou hemácias no sangue 

Nestes casos, os sintomas resultam em choque, que acontece quando um volume crítico de plasma sanguíneo é perdido. Os sinais desse estado são pele pegajosa, pulso rápido e fraco, agitação e diminuição da pressão 

Alguns pacientes podem ainda apresentar manifestações neurológicas, como convulsões e irritabilidade. O choque tem duração curta, e pode levar ao óbito entre 12 e 24 horas, ou à recuperação rápida, após terapia antichoque apropriada 

Apesar da gravidade, a dengue pode ser tratada com analgésicos e antitérmicos, sob orientação médica, tais como paracetamol ou dipirona para aliviar os sintomas 

Para completar o tratamento, é recomendado repouso e ingestão de líquidos. Já no caso de dengue hemorrágica, a terapia deve ser feita no hospital, com o uso de medicamentos e, se necessário, transfusão de plaquetas 

A dengue é uma doença infecciosa transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti. Com maior incidência no verão, tem como principais sintomas: dores no corpo e febre alta. Considerada um grave problema de saúde pública no Brasil, a doença pode levar o paciente à morte 

“A gente pode chegar a 120 mortes por dengue. Por isso, pedimos uma padronização no atendimento no sistema privado. A gente quer trazer todo mundo para uma luta só”, disse.

Celina revelou, ainda, que pesquisadores do DF estão reunidos para tentarem entender o novo padrão da doença na capital federal. “Abrimos nossas portas [de dados] para a Fiocruz, para a UnB, para a Fepecs”, explicou.

O Distrito Federal está com baixa adesão na campanha de vacinação contra a dengue. Celina pediu, ainda, que os pais de crianças de 10 a 14 anos levem seus filhos aos postos de saúde para se vacinar.

“Venham trazer as crianças, para que a gente não tenha todas essas crianças expostas”, disse Celina.
Casos de dengue no DF

De acordo com o último boletim epidemiológico divulgado pela SES-DF, na segunda-feira (11/3), a capital federal computou 140.480 casos prováveis de dengue este ano.

Do total, 137.574 notificações eram de moradores do DF. Dentre os casos prováveis em residentes em outras unidades da Federação, destacam-se Goiás, com 2.734 casos, Minas Gerais, com 48, São Paulo, com 34, e Bahia, com 13.

Entre janeiro e 9 de março deste ano, o DF registrou 109 mortes pela doença este ano.

Nenhum comentário




Latest Articles