Page Nav

HIDE

Últimas notícias:

latest

CAMPANHA - COMBATE A DENGUE


Ejacular com frequência ajuda a evitar câncer de próstata?

Não há uma conclusão definitiva — a relação entre a frequência da ejaculação e o câncer de próstata ainda não é totalmente compreendida.

Por Daniel Kelly

— Foto: BBC

Quando o assunto é saúde masculina, o câncer de próstata ocupa um lugar de destaque. É o segundo tipo de câncer mais diagnosticado entre os homens a nível mundial — seguido de perto pelo câncer de pulmão. No Brasil, a cada hora, oito homens recebem o diagnóstico da doença.

Como a próstata é um órgão reprodutivo cuja principal função é ajudar a produzir o sêmen — o fluido que transporta os espermatozoides na ejaculação —, os pesquisadores se perguntam há muito tempo sobre o efeito de fatores sexuais no risco de câncer de próstata.

Mais especificamente, será que a ejaculação protege contra o risco de câncer de próstata?

Curiosamente, existem algumas evidências que respaldam esta ideia. Uma revisão recente que analisou todas as pesquisas médicas relevantes realizadas nos últimos 33 anos mostrou que sete dos 11 estudos revelaram algum efeito benéfico da frequência da ejaculação no risco de câncer de próstata.

Embora os mecanismos por trás não sejam completamente compreendidos, estes estudos se encaixam na ideia de que a ejaculação pode reduzir o risco de câncer de próstata, ao diminuir a concentração de toxinas e estruturas semelhantes a cristais que podem se acumular na próstata e potencialmente causar tumores.

Homens que ejaculam com mais frequência podem ter estilos de vida mais saudáveis. — Foto: BBC

Da mesma forma, a ejaculação pode alterar a resposta imunológica na próstata, reduzindo a inflamação — fator de risco conhecido para o desenvolvimento de câncer — ou aumentando a defesa imunológica contra células tumorais.

Alternativamente, ao reduzir a tensão psicológica, a ejaculação pode diminuir a atividade do sistema nervoso, o que impede que certas células da próstata se dividam muito rapidamente, aumentando a chance de se tornarem cancerígenas.

Apesar destes mecanismos sugeridos, nas pesquisas que indicam que a ejaculação é protetora, parece que os detalhes são importantes.

A idade desempenha um papel nisso. Muitas vezes, a frequência da ejaculação só era protetora nas idades de 20 a 29 anos, ou de 30 a 39 anos — e, às vezes, somente mais tarde (50 anos ou mais). E, na verdade, aumentava o risco entre os mais jovens (20 anos).

Outras vezes, a ejaculação na adolescência (quando a próstata ainda está se desenvolvendo e amadurecendo) apresentou o maior impacto no risco de câncer de próstata décadas mais tarde.

Mas quão frequente é frequente? Podemos dizer muito frequente em alguns casos.

Um estudo da Universidade de Harvard, nos EUA, mostrou que homens que ejaculavam 21 vezes ou mais por mês apresentavam um risco 31% menor de câncer de próstata em comparação com homens que relataram ejacular de quatro a sete vezes por mês ao longo da vida.

Descobertas semelhantes foram feitas na Austrália, onde o câncer de próstata apresentou 36% menos chance de ser diagnosticado antes dos 70 anos em homens que ejaculavam, em média, de cinco a sete vezes por semana, em comparação com homens que ejaculavam menos de duas a três vezes por semana.

Outras pesquisas têm uma visão muito mais modesta, sendo mais de quatro ejaculações por mês a frequência que proporciona efeitos protetores em algumas faixas etárias e pacientes.

Sem conclusão definitiva

É difícil tirar conclusões globais a partir desta pesquisa, especialmente quando os estudos diferem tanto na forma como foram conduzidos.

Fatores como as populações variadas de homens que participaram das pesquisas, o número de homens incluídos nas análises e as diferenças na forma como a frequência da ejaculação é medida (se isso inclui relações sexuais, masturbação e polução noturna), podem obscurecer o cenário.

Na verdade, a medição da frequência da ejaculação depende de autorrelatos — e, muitas vezes, de muitos anos e décadas atrás. Portanto, esta é, na melhor das hipóteses, uma estimativa, e pode ser enviesada por atitudes, tanto pessoais quanto sociais, em relação à atividade sexual e à masturbação, podendo levar tanto a autorrelatos exagerados quanto à subnotificação.

Também pode haver um viés na detecção de tumores na próstata, com homens que são altamente sexualmente ativos postergando ou não indo ao hospital por medo de que o tratamento do câncer possa interromper sua atividade sexual. Esses homens com alta frequência de ejaculação podem, portanto, ter câncer de próstata, que acaba não sendo registrado nesses estudos.

Também é possível que a ejaculação não proteja contra o câncer de próstata, e as relações encontradas podem ser devido a outros fatores. Por exemplo, homens que ejaculam com mais frequência podem ter estilos de vida mais saudáveis, o que diminui as chances de serem diagnosticados com câncer.

A frequência reduzida da ejaculação está relacionada com o aumento do índice de massa corporal (IMC), a redução da atividade física e o divórcio — todos fatores associados a uma condição de saúde pior de uma maneira geral, o que, por sua vez, pode contribuir para o desenvolvimento do câncer.

A testosterona pode ser importante

A testosterona, o principal hormônio sexual masculino, também é uma parte crucial desta equação.

É bem conhecido que ela aumenta o desejo sexual, por isso um homem com baixos níveis de testosterona pode não ter o mesmo desejo pela atividade sexual que leva à ejaculação que um homem com níveis mais elevados.

Diferentemente dos primeiros pareceres que sugeriam que níveis elevados de testosterona nos homens aumentam o risco de câncer de próstata, a visão atual sugere que não só não eleva este risco, como na verdade são as baixas concentrações de testosterona que aumentam o risco. Isso é particularmente verdade para homens com câncer de próstata existente que apresentam um desenvolvimento pior da doença quando a testosterona está baixa.

Portanto, pode ser que a testosterona reduza o risco de câncer de próstata entre os homens e, além disso, aumente sua motivação para a atividade sexual.

Apesar disso, a maioria dos estudos não mede os níveis de testosterona e, na melhor das hipóteses, apenas a reconhece como um possível fator influenciador. Um estudo que mediu o hormônio sexual masculino mostrou que homens que ejaculavam com frequência apresentavam níveis mais elevados de testosterona. E foram esses homens que também apresentavam um risco reduzido de câncer de próstata.

Há benefícios da atividade sexual e da ejaculação além da próstata, incluindo efeitos positivos no coração, no cérebro, no sistema imunológico, no sono e no humor. Assim, embora a relação entre a frequência da ejaculação e o câncer de próstata não seja totalmente compreendida — e haja uma necessidade real de mais estudos —, a ejaculação frequente (dentro dos limites razoáveis) certamente não vai fazer mal, provavelmente vai fazer bem e deve, portanto, fazer parte do estilo de vida saudável de um homem.

* Daniel Kelly é professor de bioquímica na Universidade Sheffield Hallam, no Reino Unido.

Este artigo foi publicado originalmente no site de notícias acadêmicas The Conversation e republicado aqui sob uma licença Creative Commons. Leia aqui a versão original (em inglês).

Nenhum comentário




Latest Articles