Árbitro Nivaldo Nunes morre vítima de H1N1 no DF


O árbitro e ex-presidente do Sindicato dos Árbitros de Brasília, Nivaldo Nunes, 44 anos, morreu nessa terça (31), vítima de H1N1, em Brasília. Ele havia sido diagnosticado com a gripe no dia 13 de abril depois de se queixar de dores no corpo e falta de ar.

Na ocasião, ele foi encaminhado para uma Unidade de Pronto Atendimento do Distrito Federal, onde foi internado com urgência. Em seguida, Nunes foi transferido para um hospital particular do Cruzeiro, onde lutava desde então. 

Homenagens

Casado e pai de cinco filho, Nunes recebeu homenagens de diversos times brasileiros. Algumas equipes chegaram a fazer um minuto de silêncio pela morte do árbitro antes de iniciar os jogos dessa terça. 

A Associação Nacional de Árbitro de Futebol (Anaf) e o Sindicato dos Árbitros de Futebol do Distrito Federal divulgaram uma nota de pesar pela morte do companheiro. "A Anaf e o Sindicato dos Árbitros de Futebol do Distrito Federal solidarizam-se com a família do ex-presidente Nivaldo Nunes, e que Deus conforte toda família", disseram as entidades.

Internação

O árbitro foi internado às pressas no dia 13 de maio em um hospital particular do Cruzeiro, onde ficou sedado na Unidade de Terapia Intensiva. Na ocasião, os médicos garantiam que o estado de saúde dele era crítico. 

Durante o período de internação de Nivaldo Nunes, o auxiliar da CBF Luciano Benevides de Souza chegou a fazer um desabafo. "Nivaldo é um dos caras mais especiais que eu já conheci. Com certeza, Brasília tem uma arbitragem antes e depois de Nivaldo. Tenho orgulho de ter estado com ele ao longo desses anos". 

Relembre

Nivaldo Nunes de Souza foi uma das personalidades mais respeitadas do futebol brasiliense. Ele esteve a frente do Sindicato dos Árbitros de Brasília por dois mandatos (2007 a 2008 e 2008 a 2010). Anteriormente, Nivaldo atuou durante cinco anos como árbitro da Federação Brasiliense de Futebol, quando teve a oportunidade de comandar jogos decisivos do futebol candango, como o clássico Gama X Brasiliense. 

H1N1 no DF

Em nota, a Secretaria de Saúde do DF informou que do início do ano até o último dia 21 de maio, que corresponde à Semana Epidemiológica no 20, foram confirmados 145 casos de H1N1, de um total de 411 notificações. Entre estes casos confirmados, 103 se apresentaram de forma mais grave e os outros 42 casos o quadro gripal se apresentou de forma mais leve.

Dos 145 casos confirmados, 10 pacientes vieram a óbito. Seis eram pacientes do sexo feminino, sendo três na faixa etária de maior de 60 anos - com fatores de risco - e os outros três em adultos na faixa etária de 30 a 49 anos – onde somente uma teve fatores de risco comprovados. Os outros quatro óbitos ocorreram em pacientes do sexo masculino, um adolescente de 13 anos com presença de fatores de risco; um jovem de 18 anos, sem histórico de fatores de risco; um adulto de 58 anos, que tinha fator de risco; e um idoso, que tinha mais de uma fator de risco. Existe ainda um óbito sob investigação para comprovar se a causa foi pelo vírus H1N1 ou se ocorreu por outra doença.

Entre os casos graves, 17 ocorreram em menores de 5 anos de idade; dois em crianças de crianças de 5 a 9 anos; quatro com idade entre 10 a 14 anos; quatro em adolescentes de 15 a 19 anos; 56 em adultos de 20 a 59 anos; e 20 em maiores de 60 anos. Já entre os casos menos graves, seis ocorreram em menores de 1 ano de idade; seis entre um a nove anos; três entre jovens de 15 a 19 anos; 24 entre adultos de 20 e 59 anos; e três na faixa etária de maior de 60 anos.



Fonte: Da redação do Jornal de Brasília

Postar um comentário

0 Comentários