Sem receber salários, médicos querem pedir demissão coletiva no Distrito Federal

Reprodução/TV Globo

Por Elton Santos

Mais um problema na área da Saúde para o Governo de Brasília tentar resolver. Os médicos que atuam na UTI do Hospital de Santa Maria (HRSM) podem pedir demissão coletiva por falta de salário. Já se aproxima o terceiro mês sem receber. Mensalmente, o custo é de R$ 3.8 milhões em despesas da UTI, incluindo as remunerações. A categoria dá um prazo até o próximo dia 5 de setembro para que se resolva a situação.

O HRSM é gerenciado pela Intensicare, entidade privada e uma das empresas investigadas por suspeita de irregularidades na Operação Dracon, da Polícia Civil do DF. Ela recebe o valor do governo e faz o pagamento a seus profissionais. Atualmente, o hospital tem 70 médicos, atuando em 101 leitos de UTI para crianças e adultos. A própria Intensicare está orientando os médicos a se demitirem para pressionar o Palácio do Buriti.

Trecho da Ata de reunião entre a Intensicare e Secretaria de Saúde

Promessa

Guardian DF teve acesso exclusivo a Ata de uma reunião entre representantes da Intensicare e da Subsecretaria de Atenção Integral à Saúde (SAIS) onde foi prometido o pagamento de dívidas abertas e a sua respectiva regularidade nos meses subsequentes. Esse encontro ocorreu no último dia 3 de agosto e teve como pauta a situação dos leitos de UTi no hospital de Santa Maria.


No decorrer da conversa, o subsecretário Daniel Seabra questionou a Intensicare sobre “divergências” no controle de servidores na UTI de lá. Afirmou que havia médico nas escalas, mas não efetivamente trabalhando. E pediu que isso fosse fiscalizado, apesar da falta de pagamento do governo.

Os representantes da empresa são questionados também se o valor devido a Intensicare sanaria o problema dos leitos de UTI. Eles dizem que sim, mas pedem regularidade no pagamento. E foi exigido que esse compromisso do repasse fosse formalizado para, assim, conseguir “passar credibilidade junto aos profissionais (médicos)”.

Antes de terminar a reunião, o diretor do Fundo de Saúde, Artur Lima, presente no encontro, disse que existia um cronograma para pagamento de dívidas, classificadas de “macro” pelo governo e que os leitos da UTI de Santa Maria estariam nela.


Um dos diretores da Intensicare, identificado como Marcelo, sugeriu o fechamento de 10 leitos de UTI na unidade, justamente por conta do não recebimento dos valores devidos do governo.

A situação em Santa Maria é grave. No segundo andar existem 20 leitos de UTI adulto, mas só funcionam 8 deles. Já no 5º são três UTIs um com 18 leitos, a 2 com 11 leitos e a 3 com 11 leitos. De todas essas do 5º andar, pelos menos cinco vagas estão bloqueadas.


Guardian DF entrou em contato com a Secretaria de Saúde. O órgão foi questionado quando o problema será resolvido. Qual seria o valor dos contratos e tamb´me em relação ao possível pedido de demissão coletiva dos médicos.

Segundo a Pasta, neste ano já foram pagos R$ 11.465.700,00 à Intensicare. Entretanto, “ainda há valores em aberto. Aproximadamente R$ 7 milhões”. Esse é o valor gasto com a prestação de serviço na UTI-HRSM. Mas a SES diz que o total destinado a pagamento de salários só a empresa Intensicare pode responder.

Também em resposta, a Secretaria explica que atualmente existem 100 leitos, sendo 60 adultos, 20 pediátricos e 20 neonatais. E desse número, 14 leitos estão bloqueados.

Sobre a possível demissão coletiva, a SES diz não recebeu “nenhuma informação oficial sobre o assunto”. E sobre o prazo de resolução do problema dado pela categoria de receber até o dia 5 próximo, a Pasta diz que “No âmbito da Superintendência de Saúde da Região Sul todo trâmite está resolvido. O Fundo de Saúde e a Diretoria Financeira estão tomando todas as providências para pagamento ainda este mês”.

Outros problemas

Mas os problemas vão além de recursos humanos. São materiais também. Segundo uma fonte, confirmada em várias reclamações e reportagens, no HRSM falta coisas básicas para, por exemplo, fazer um pequeno curativo nos pacientes.


Fonte - http://guardiandf.com.br/

Postar um comentário

0 Comentários