Médico de Lauda fica feliz com resultado do transplante, mas estado segue crítico

Segundo as primeiras informações do cirurgião Walter Klepetko, tricampeão mundial de Fórmula 1 deve ficar internado por algumas semanas caso a recuperação continue indo bem

Getty Images

O início da recuperação de Niki Lauda após o transplante de pulmão ocorrido na quarta-feira tem sido satisfatório. No entanto, o estado do tricampeão mundial de Fórmula 1 e atual presidente não executivo da Mercedes segue crítico, e os próximos dias serão fundamentais.

Cirurgião responsável pelo procedimento no Hospital Geral de Viena, Walter Klepetko, disse à TV austríaca ORF que, caso não haja nenhuma intercorrência na sequência da recuperação, Lauda ficará internado por algumas semanas. No entanto, Klepetko está safisfeito com o pós-operatório.

- Está tudo indo muito bem agora e estamos muito felizes - disse o cirurgião, chefe do departamento clínico de cirurgia torácica do hospital, que realiza aproximadamente 120 transplantes de pulmão por ano.

Niki Lauda é presidente não executivo da equipe Mercedes (Foto: Getty Images)
Ainda segundo Klepetko, um paciente mais jovem poderia receber alta em até três semanas, mas, pela idade avançada de Lauda (69 anos), a recuperação é mais demorada. O hospital não emitiu nenhum boletim médico nesta sexta-feira.

Lauda pegou uma gripe quando descansava em Ibiza, na Espanha, e seu estado evoluiu para um quadro de febre alta e tosse violenta. O tricampeão então pegou seu jato particular para Viena, onde se internou para receber mais cuidados. Inicialmente, Lauda foi tratado da gripe, mas o estado dos pulmões, afetados desde o acidente ocorrido em Nürburgring, em 1976, obrigou os médicos a realizarem o transplante.

Niki Lauda ficou com marcas no rosto após acidente em 1976 (Foto: Reprodução / F1)
Por uma incrível coincidência, o transplante se deu na última quarta-feira, dia 1º de agosto, exatamente no aniversário de 42 anos da batida que quase tirou a vida de Lauda. Na ocasião, a Ferrari do austríaco se incendiou, e o piloto sofreu graves queimaduras, além de inalar gases tóxicos. Apesar de ter sido salvo, Niki ficou com os pulmões comprometidos e ainda precisou de dois transplantes de rim, o primeiro em 1997 e o segundo em 2005.

A última aparição de Lauda na Fórmula 1 foi durante o fim de semana do GP da Inglaterra. Por causa da gripe, e depois da internação, o austríaco não compareceu às corridas da Alemanha e Hungria, nos últimos dois fins de semana.


Fonte - Globo Esporte

Postar um comentário

0 Comentários