Brasília infestada de escorpião!


Alerta: a cada sete horas, uma pessoa é picada por escorpião no DF 


Uma preocupação que cresce a cada dia: o número de pessoas socorridas após levar uma picada de escorpião aumentou cerca de 25% no Distrito Federal em 2019, comparado ao primeiro semestre de 2018. Até o último dia 22 de junho, a Secretaria de Saúde do DF havia computado 618 casos, ou seja, um brasiliense é vítima do peçonhento a cada sete horas. No ano passado, no período equivalente, o registro foi menor: 495 incidentes. 

O Ministério da Saúde registrou, em 2018, 156.702 ocorrências em todo o país. Em 2017, foram 125.229; e em 2016, 91.722. Segundo a pasta, não se pode atribuir o aumento a um único fator. Deve-se considerar que a espécie Tityus serrulatus, que mais causa acidentes no Brasil, se expandiu para um número maior de cidades. Além disso, destacou outros pontos, como o aumento da ocupação irregular nas grandes cidades. 

A Vigilância Ambiental é responsável por promover ações de controle e prevenção no Distrito Federal. Caso seja constatada presença de escorpião dentro de residência, o serviço pode ser acionado pela população por meio dos seguintes números: (61) 2017-1343 ou 160. 

Israel Martins, biólogo da pasta, afirma que o trabalho não se limita apenas à captura dos escorpiões. “É preciso identificar as condições que favoreceram o aparecimento de animais peçonhentos na casa da pessoa. No geral, também indicamos algumas medidas, como instalação de telas”, acrescenta. 

Baratas são a principal alimentação de escorpiões. No entanto, conforme destacado por Martins, o uso de inseticidas pulverizastes é contraindicado: o produto provoca irritação nos aracnídeos, que se dispersam pela casa. “O melhor seria um inseticida sólido, mas isso é apenas uma medida adicional, que deve ser usada em último lugar. A prevenção é a principal solução”. 

Em Santa Maria, um homem ficou ferido após ser picado por um escorpião em uma das salas de cinema no shopping da cidade. Ele estava assistindo um filme na sessão de 15h30 quando foi picado pelo animal que estava debaixo de sua poltrona. 

Ele sentiu uma forte ferroada no pé e, de tanta dor, a perna começou a “ter espasmos”. Pessoas que estavam nas cadeiras próximas, ao escutarem os gritos, ligaram as lanternas dos celulares e encontraram o escorpião que picou o rapaz. O socorro foi chamado, que demorou a chegar. “Eles não sabiam o que fazer e nem para onde me levar, até que um funcionário do cinema me segurou e ficou esperando para ver o que iam fazer. Eu não aguentava de dor, sentir tontura, náuseas e espasmos”, contou uma testemunha. 

A vítima foi encaminhada para o Hospital Regional de Santa Maria, mas, como não foi atendido, o levaram para o Hospital do Gama. Lá, passou o dia recebendo medicação com o intuito de cortar o efeito do veneno.


Fonte - Agencia Satélite

Postar um comentário

0 Comentários