Page Nav

HIDE

Últimas notícias:

latest

CAMPANHA - COMBATE A DENGUE


ATIVISMO DE GILMAR MENDES - Dallagnol rebate Gilmar Mendes: “Intolerância religiosa desprezível”

Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) disse que Dallagnol poderia “fundar uma igreja” após ter recebido “chuva de pix” de apoiadores

Rafaela Felicciano e Hugo Barreto/Metrópoles

O ex-deputado federal Deltan Dallagnol (Podemos-PR) rebateu, na tarde deste domingo (16/7), as falas do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF). O magistrado disse que o parlamentar cassado poderia “fundar uma igreja” depois de ter recebido uma “chuva de pix” logo após perder o mandato.

“Gilmar Mendes ofende de uma só vez os cristãos, as igrejas e os brasileiros de bem que apoiam o combate à corrupção”, escreveu Dallagnol nas redes sociais.

“É triste ver um ministro do Supremo chegar a um nível tão baixo a ponto de atacar a fé das pessoas, em um ato de intolerância religiosa tão desprezível.”

O ex-deputado afirmou, ainda, que o ministro do STF pode não entender as doações, que definiu como uma “demonstração de amor, fé e compaixão” por “não viver o amor de Deus”.


Veja a publicação:

Twitter/Reprodução

A fala de Gilmar Mendes foi feita durante um evento do grupo de advogados Prerrogativas.

“Esses dias eu via o Dallagnol dizendo que quando saiu da Câmara e estava no avião, começaram a chover Pix. É o novo contato com a espiritualidade, a espiritualidade do dinheiro. Certamente já pode fundar uma igreja”, disse o ministro do STF.

O evento do grupo de advogados era em homenagem ao ministro do Supremo Sepúlveda Pertence, que faleceu no começo de julho. Gilmar Mendes também fez críticas à “degeneração” do Ministério Público Federal (MPF) com a Lava Jato e ao modelo “Moro-Dallangol”.

“O que eu diria para as novas gerações? Mirem naquilo que não deu certo. O modelo Moro-Dallagnol deu errado. Vamos salvar o Judiciário desse grande escândalo. Não acreditem que são o quarto poder, porque não são. Não queiram ter papel auxiliar do sistema político-partidário”.

Doações após perder mandato

Em 11 de junho, Deltan Dallagnol publicou um vídeo, em suas redes sociais, agradecendo doações via Pix que recebeu de apoiadores. As doações foram destinadas para pagar uma dívida de R$ 2,8 milhões, em decorrência de diárias e passagens da Lava Jato que foram utilizadas de forma indevida por ele.

“Imaginei Deus respondendo o seguinte: quando foi que eu permiti que você e sua família fossem tocados? Quando você foi condenado a pagar mais de R$ 100 mil por conta do Powerpoint, eu não fiz chover mais de 12 mil pix em menos de 36 horas na sua conta? Não foi mais de meio milhão de reais sem você abrir a boca para pedir? Quando você viu qualquer coisa parecida, homem de pequena fé? Não tema. Seja forte e corajoso”, disse o ex-procurador da Lava Jato no vídeo.

Cassação


O julgamento ocorreu em um recurso apresentado pela Federação Brasil Esperança, formada pelos partidos PT, PCdoB e PV, contra decisão da Justiça Eleitoral do Paraná.

A alegação principal foi de que o então candidato não poderia concorrer à eleição de 2022 devido a pendências de sindicâncias e reclamações administrativas no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). Para o grupo de partidos, que também representou, Dallagnol não poderia concorrer por causa da insegurança jurídica provocada.

Foi alegado ainda que Dallagnol teria pedido exoneração para não perder o cargo nem ficar inelegível. Segundo a Lei da Ficha Limpa, integrantes do Ministério Público não podem se candidatar se houver pendência em análise, se tiver se aposentado compulsoriamente ou se afastado do cargo.

Fonte - Metrópoles

Nenhum comentário




Latest Articles