Page Nav

HIDE

Últimas notícias:

latest

CAMPANHA - COMBATE A DENGUE


Professor é preso, suspeito de estuprar alunos dentro de escola cristã

Quase 20 alunos, entre 13 e 18 anos, denunciaram Pedro Leandro, professor de educação física do Colégio Couto Magalhães, em Anápolis (GO)


Reprodução/Redes sociais

O professor de educação física Pedro Leandro Castro Pereira Araújo foi preso, na sexta-feira (15/9), suspeito de cometer abuso e violência sexual contra pelo menos 18 alunos, de 13 a 18 anos, dentro de um colégio de Anápolis (GO).

De acordo com o delegado Jorge Bezerra, responsável pelo caso, o homem — que trabalhava no Colégio Couto Magalhães, conhecido por seguir os “valores da fé cristã reformada” — tornava-se amigo das vítimas e oferecia carona para algumas delas.

“Ele começava a mostrar vídeos pornográficos; depois, começava a constrangê-los sobre a sexualidade. Por fim, passava a fazer algumas massagens, realizando toques inadequados nas partes íntimas desses alunos. Nos casos mais graves, ele chegou a tocar na parte íntima, nos seios e chegou, inclusive, a praticar sexo oral em um aluno”, detalhou o delegado ao G1.

Investigação do caso

O delegado explicou que a investigação começou após a escola receber as denúncias dos alunos. Em comunicado oficial, o Colégio Couto Magalhães informou que agiu de forma rápida e que o treinador foi imediatamente desligado do quadro de professores.

“No dia 31 de agosto, em resposta às acusações, o treinador foi desligado e afastado imediatamente das dependências do colégio, com suspensão de contato com os alunos. Nesse mesmo dia, a Polícia Civil foi prontamente acionada […] e conduziu uma investigação minuciosa, ouvindo testemunhas e coletando evidências. O inquérito foi concluído em 5 de setembro e protocolado junto ao Ministério Público, culminando na prisão de Pedro Leandro Castro Pereira Araújo em 15 de setembro.”

A própria polícia divulgou o nome do suspeito. O delegado Jorge Bezerra pediu que, caso mais alunos tenham sido vítimas do professor, denunciem aos responsáveis, à escola ou à polícia.

Nenhum comentário




Latest Articles