Page Nav

HIDE

Últimas notícias:

latest

Ads Place


Análise: “foi tu” de Tite simboliza o crescimento coletivo do Flamengo em duelo duríssimo

Em um dos triunfos mais difíceis conquistados pelo Rubro-Negro no Brasileirão, atribuir resultado à individualidade de Arrascaeta seria injusto

Por Fred Gomes — Rio de Janeiro

A análise da importantíssima vitória que mantém o Flamengo vivo na busca pelo eneacampeonato brasileiro não recorrerá ao caminho mais fácil. Sim, é "óbvio ululante" que Arrascaeta é gênio. O golaço que definiu o placar de 1 a 0 sobre o Bragantino é para poucos. Mas quem esteve no Maracanã tem certeza de que o coletivo superou o individual. O "foi tu" bradado por Tite em direção ao auxiliar Matheus Bachi simboliza o quanto o "nós" está acima do "eu".

Arrascaeta poderia puxar para si os holofotes da vitória. Fez um golaço com timing certo para tabelar com Pulgar e escolher o momento de dar "um bico com classe". Preferiu usar a primeira pessoa do plural para analisar o resultado ainda no campo de jogo (clique aqui e leia).

Não seria absurdo caso Tite assumisse a responsabilidade por ler os diferentes jogos que se desenharam ao longo dos 90 minutos. Soube identificar que o Flamengo perdia no meio-campo e também pelo lado direito da defesa. Mexeu no intervalo e trocou os titulares Matheuzinho e Luiz Araújo por Wesley e Pulgar.

Fábio Mahseredjian, Cléber Xavier, Tite e Matheus Bachi em Flamengo x Bragantino — 
Foto: Gilvan de Souza e Marcelo Cortes/Flamengo

A saída de Luiz, aliás, poderia soar impopular porque o canhoto fazia alguma fumaça pelo lado direito de ataque, mas era preciso preencher uma lacuna. A de Matheuzinho era mais elementar dada a fragilidade defensiva apresentada em seu setor.

Mas o gaúcho de 62 anos não seria tachado de presunçoso caso reconhecesse a ótima substituição que fez ao tirar Thiago Maia e botar Bruno Henrique pela direita, lado onde o ídolo não costuma se criar. Pois foi de lá que nasceu o gol. E Tite fez o quê? Compartilhou o mérito.

"Foi tu!", gritou, apontou e abraçou o filho Matheus Bachi, um de seus auxiliares, após o apito final.

Tamanha explosão com dedicatória flagrada pela transmissão do Premiere merecia explicação. E o treinador o fez em entrevista coletiva.

— Traduzimos nossas chances no gol. A sugestão partiu do Matheus, do César Sampaio e do Juan. As substituições nós treinamos durante a semana. Tivemos diferentes formações no ataque, inclusive com Bruno (Henrique) na direita, centralizado, o Wesley na direita dando amplitude... Foi um jogo muito duro contra a equipe que menos perdeu no campeonato, a equipe mais sólida do campeonato.

O coletivo foi a chave para uma das vitórias mais difíceis do Flamengo em 2023.

Primeiro tempo: o coletivo aparece, mas não resolve

Por mais que a ótima equipe do Bragantino tenha levado perigo no primeiro tempo, o lado coletivo do Flamengo apareceu. Everton Cebolinha foi o jogador mais perigoso e esteve perto de marcar pelo menos três vezes. Mas o camisa 11 não teria destaque se não fosse a boa capacidade de criação do "lateral construtor" Matheuzinho, que o deixou em condição confortável para finalizar em duas oportunidades.

O time geraria intranquilidade à torcida no momento em que não conseguia sair da marcação alta do Bragantino, especialmente entre os 10 e 25 minutos, mas também não sofreria tanto por conta da boa atuação dos zagueiros.

E teve também Pedro, um centroavante cada vez mais móvel e com capacidade para fazer o pivô em diferentes áreas do campo, ora com o corpo ora com toques de primeira. Havia diálogo dentro e fora da área.

Se houve elogio à criatividade de Matheuzinho, que quase marcou um belo gol em chute de primeira, é preciso também pontuar que o mesmo não aconteceu defensivamente. Ele e Thiago Maia deixaram furos. O lateral-direito ainda não se firmou no Flamengo exatamente por apoiar muito bem e não conseguir entregar o mesmo quando é atacado.

Aos 35 min do 1º tempo - chute de fora da area bloqueado de Matheuzinho do Flamengo contra o Bragantino

Segundo tempo: o "fator elenco" mata o jogo

Tite não começou com o titularíssimo Pulgar em função dos 160 minutos jogados com a seleção chilena entre 16 e 21 de novembro. A entrada do camisa 5 se fez necessária para preencher espaços, mas trouxe também a presença de um volante box-to-box, que infiltra com facilidade.

Wesley na vaga de Matheuzinho era mexida óbvia pelos problemas defensivos e devido a um cartão amarelo tomado no início do jogo.

O Flamengo logo levou perigo em linda jogada de Cebolinha que terminou em voleio perigoso de Léo Pereira.

Depois de o Flamengo chegar perto do gol, o Bragantino, também com mexidas do técnico Pedro Caixinha - Hurtado e Mosquera substituíram Aderlan e Vitinho -, reequilibrou as ações e empurrou o anfitrião para o campo de defesa. Teve volume e, inclusive, colocou bola no travessão em cabeçada de Sasha.

Pois chegava a hora de a coletividade da comissão técnica fazer a diferença. Segundo Tite, Matheus Bachi, César Sampaio e Juan sugeriram mexida que já havia sido treinada. Bruno Henrique entrou pela direita, e Thiago Maia saiu. Gerson baixou uma linha, como já fizera na escalação inicial.

Assim como nas vitórias conquistadas por Tite diante de Cruzeiro e Vasco, o resultado foi praticamente imediato, e o coletivo prevaleceu.

Bruno Henrique entrou aos 23. Seis minutos depois, em jogada despretensiosa no círculo central, voltou para brigar. Após a disputa, sentindo que precisava levar o Flamengo à frente, carregou a bola para o corredor e esperou a aproximação de Arrascaeta. Quando ela chegou aos pés do uruguaio aconteceu o que todo mundo já sabe e o que mantém o Flamengo vivo na briga pelo enea: um golaço.

Bruno Henrique briga por bola no meio-campo, e Flamengo faz golaço com Arrascaeta

Mas mais uma vez o coletivo fez diferença. Quem ajudou Bruno Henrique a brigar pela bola no meio-campo foi Pulgar, que apareceu na área, como elemento surpresa, para tabelar com Arrascaeta.

Arrascaeta, em seu primeiro jogo com 90 minutos sob orientação de Tite, mostrou a força física para se projetar dentro da área, ganhar disputa com o zagueiro e, num toque de mestre, tocar de bico no cantinho de Cleiton. Catarse total no Maraca.

Resumo da vitória

As palavras escolhidas por Tite para dividir a substituição que mudou a história do jogo refletem bem o ambiente rubro-negro. Não, não havia prevalência do "eu" com a comissão técnica anterior. O problema é que não havia nem "eu" e nem "nós". Não havia mais comunicação.

O Flamengo parecia ter ativado o modo-zumbi para encerrar um melancólico ano marcado por eliminação em semifinal do Mundial e quatro vice-campeonatos.

O pedido de Erick Pulgar, Arrascaeta e Varela para voltarem de suas seleções a tempo de enfrentarem o Bragantino foi mais uma demonstração do combate à primeira pessoa do singular. A comemoração do gol escancarou a satisfação. Era Arrasca correndo para um lado com cara de satisfação, era Pulgar pulando a placa de publicidade, era Tite atravessando o campo para festejar com os jogadores. Era a torcida imparável durante os 90 minutos.

Nenhum comentário




Latest Articles