Page Nav

HIDE

Últimas notícias:

latest

CAMPANHA - COMBATE A DENGUE


Caesb chega aos 55 anos com projeção de R$ 2,8 bilhões investidos até 2027

Mais de R$ 250 milhões serão destinados a obras de saneamento e distribuição de água no Distrito Federal neste ano | Foto: Divulgação/Caesb

De 2019 para cá, companhia aplicou R$ 1,5 bilhão para manter, ampliar e melhorar atuais sistemas de captação de água e esgoto

Responsável pela água que chega tratada e com qualidade às torneiras dos brasilienses, a Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) chega aos 55 anos com quase R$ 1,5 bilhão investidos nos últimos cinco anos em manutenção, expansão e melhorias do atual sistema de captação de esgoto e água da capital federal. A meta é investir mais de R$ 2,8 bilhões até 2027.

Empenho que traz resultados: o DF é, hoje, a unidade da federação com maior taxa de esgoto tratado do país, segundo dados do Instituto Trata Brasil, e está entre as 10 com melhor esgotamento do país, conforme levantamento do jornal Folha de S.Paulo, a partir de cruzamento de dados do Censo e da Organização das Nações Unidas (ONU).

De acordo com o jornal, o DF concentra o segundo maior percentual de moradores com esgotamento adequado (94,1%), ficando atrás apenas de São Paulo (94,5%). Os índices fazem a capital federal performar em níveis de países desenvolvidos, como Suécia, Bélgica e Portugal.

“Atendemos 99% da população do DF com água tratada e 93% com coleta de esgoto. São 18 mil km de extensão de redes, sendo 10 mil km de água e 8 mil km de esgoto. Daria para ir até o outro lado do mundo com a rede que temos enterrada hoje no Distrito Federal”, destaca o presidente da Caesb, Luís Antônio Reis.

Atualmente, o DF conta com 13 estações de Tratamento de Água (ETAs), 16 estações de Tratamento de Esgoto (ETEs) e 102 elevatórias de esgoto.

Desde 2019, a companhia investiu R$ 1 bilhão em obras de expansão em melhorias do sistema de água e esgoto; de eficiência energética; modernização da infraestrutura da rede; e na consolidação do sistema de tecnologia de informação da Caesb. “Fomos até premiados como uma das 100 melhores empresas do Brasil em sistemas de TI”, ressalta Reis.

No mesmo período, foram empenhados quase R$ 500 milhões em serviços de ampliação e manutenção da rede atual. Para 2024, serão mais R$ 250 milhões revertidos em obras de saneamento e distribuição de água. “Temos um plano de expansão de longo prazo que prevê investir mais R$ 2,8 bilhões até o final de 2027”, projeta.

“Para isso, estamos buscando financiamentos internacionais. Já conseguimos, recentemente, a aprovação de dois empréstimos: um de US$ 100 milhões junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento e outro de 50 milhões de euros junto ao Banco de Desenvolvimento Alemão”, prossegue o presidente da empresa.

Desde 2021, o Distrito Federal atende os níveis de universalização previstos no Marco Legal do Saneamento Básico. A lei federal determina que, até 2033, 99% da população receba água potável e 90% tenha acesso a coleta e tratamento

Projetos futuros

Entre os maiores objetivos da Caesb estão a expansão das áreas de atendimento, sobretudo as de vulnerabilidade social, a interligação do sistema e a redução do índice de perda de água.

Um dos projetos em andamento é a implementação do sistema de abastecimento no Setor Habitacional Nova Colina e do saneamento integrado do Santa Luzia e Morro da Cruz. No Setor Nova Colina, o sistema terá cerca de 27 mil metros, com aporte na ordem de R$ 11,6 milhões, e beneficiará 17 condomínios e mais de 13 mil pessoas. As obras já estão em andamento e os primeiros hidrômetros foram entregues no Assentamento Dorothy Stang, no último dia 9.

Outra obra que também levará maior segurança para a população é a construção da Subadutora de Água Tratada (SAT) Gama. Com investimento de quase R$ 90 milhões e já em curso, a obra vai aliviar o sistema Torto/Santa Maria, interligando a ETA Corumbá à região do Jardim Botânico e adjacências. O benefício alcançará mais de 340 mil moradores do Setor Habitacional Tororó, Lago Sul, São Sebastião e Jardim Botânico, incluindo os futuros residentes do loteamento Aldeias do Cerrado, complexo urbanístico planejado pelo GDF e localizado no Núcleo Rural Nova Betânia.

Em Brazlândia, está em curso a construção da nova estrutura de captação superficial de água bruta do córrego Olaria. A obra recebeu R$ 11,5 milhões em investimento e é composta por uma elevatória de água bruta e uma adutora. A água captada será transportada até a Estação de Tratamento de Água Brazlândia. Segundo o presidente da Caesb, a empreitada aumenta a capacidade de captação de água na região, garantindo o atendimento pleno de Brazlândia por água potável, inclusive nos períodos mais críticos de estiagem. “É um sistema muito importante que melhora a disponibilidade de água para a população”, observa o presidente.

A Caesb também trabalha na implantação de uma nova rede de distribuição de água que ligará o Taquari, no Lago Norte, até o Colorado, em Sobradinho. O aporte é superior a R$ 123 milhões, em que R$ 51 milhões são direcionados à implementação da adutora, R$ 43 milhões para a ampliação da elevatória do Lago Norte, e R$ 29 milhões para a implantação do Reservatório de Água Tratada Sobradinho, que será instalado próximo ao balão do Colorado.

Em breve, será iniciada a construção da elevatória de esgoto do Riacho Fundo II, com recursos na ordem de R$ 5,2 milhões, e da elevatória de esgoto do Bernardo Sayão, no Núcleo Bandeirante, com investimento de R$ 21 milhões. As empresas responsáveis pelas obras já foram contratadas. No Paranoá, houve a contratação da obra do sistema de tratamento preliminar de esgoto ao custo de cerca de R$ 16 milhões.

Saneamento

Desde 2021, o Distrito Federal atende os níveis de universalização previstos no Marco Legal do Saneamento Básico. A lei federal determina que, até 2033, 99% da população receba água potável e 90% tenha acesso a coleta e tratamento. A Caesb, além de fornecer água potável para 99% da população, faz a coleta de 92% de todo o esgoto gerado e trata 100% dele. Desses, 87% dos resíduos são tratados a nível terciário, um dos mais elevados em relação às demais unidades da federação.

“Hoje temos o nível terciário de tratamento de esgoto, em que são removidos poluentes específicos como os micronutrientes fósforo e nitrogênio”, aponta o presidente. “Esse é o nível mais adequado para os nossos rios, e estamos com o sistema de tratamento de água atualizado. Do mesmo modo, trabalhamos para renovar os investimentos feitos no passado, entendendo que é preciso que as tubulações sejam renovadas e reparadas, para que possamos diminuir ao máximo a perda de água”, esclarece.

O DF é a sexta unidade da Federação que menos perde água potável nas distribuições, de acordo com o Instituto Trata Brasil. A capital tem cerca de 35,07% de desvio de água, ficando atrás de São Paulo (34,50%), Santa Catarina (35,06%), Paraná (33,75%), Mato Grosso do Sul (33,40%) e Goiás (28,54%). As causas para as perdas são pequenos vazamentos que podem ocorrer em canos, torneiras, adutoras, entre outras conexões.

Atendimento

O presidente afirma, ainda, que a companhia preza pelo aprimoramento da qualidade da água que chega para o consumidor e o esgoto que é despejado nos corpos hídricos. “O laboratório da Caesb é acreditado internacionalmente pelo Inmetro. Contamos com profissionais do mais alto nível, doutores em biologia, química, que são especializados no tratamento da água e estudam o nosso produto diariamente. Garantimos que os nossos produtos são testados diariamente, por duas ou mais vezes, para que tenhamos o controle do que exatamente é distribuído no DF”, elenca Reis.

A Caesb foi listada no grupo de 100 empresas públicas e privadas que mais inovaram em tecnologia em 2023. A companhia, que ficou 37º lugar no ranking divulgado pela IT Mídia, apresentou um case de implementação de inteligência espacial no monitoramento de ordens de serviço, que informa o estágio do atendimento e o deslocamento das equipes de manutenção.

Para incentivar a preservação do meio ambiente, sobretudo o consumo consciente da água, a Caesb mantém equipes voltadas à educação ambiental. “É muito importante que estejamos alinhados com os objetivos ambientais, entendendo que a Terra não é nossa, mas sim das gerações futuras. Temos que deixar um legado responsável e positivo para quem está nascendo e ainda vai nascer”, avalia o presidente.


*com informações da Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb)

Nenhum comentário




Latest Articles