Page Nav

HIDE

Últimas notícias:

latest

CAMPANHA - COMBATE A DENGUE


Estudante denuncia que tio a estuprou e cometeu o mesmo crime contra 5 crianças da mesma família

São crimes cometidos contra quatro sobrinhas, uma neta e uma afilhada

Redação Jornal de Brasília

Foto: Júlia Viana/Arquivo pessoal

A estudante Júlia Viana, de 20 anos, denunciou que um tio a estuprou e cometeu o mesmo crime contra cinco crianças da mesma família, em Jaupaci, na região central de Goiás. Ela conta que o crime aconteceu quando ela tinha apenas 9 anos de idade, mas que era ameaçada pelo tio para não expor o crime.

“Quando era pequena, eu não contava porque ele me ameaçava dizendo que iria matar meus pais. Depois que eu cresci, eu quis evitar dor para os meus pais. Por algum tempo foi necessário me calar, hoje não é mais”, desabafa a estudante.

O delegado de Jaupaci, Ronaldo Pinto Leite, contou em reportagem ao g1, nessa quinta-feira (26), que Júlia procurou a delegacia em maio de 2022 e registrou boletim de ocorrência. Depois dela, os estupros contra outras cinco crianças da família vieram à tona.

Foto: Divulgação/Polícia Civil

Os seis casos foram investigados no ano passado. Destes, o delegado indiciou Adaunair Ferreira Neves, de 67 anos, por estupro de vulnerável contra quatro vítimas. O homem tem dois mandados de prisão em aberto e está foragido da polícia há 7 meses.

“Quando a polícia teve notícia do primeiro fato, ele já tinha sumido, porque tinha circulado a informação sobre os crimes. Entramos em contato com a polícia de RO, MT e PA, para onde ele pode ter fugido. Já fomos em 15 endereços diferentes, mas ele não foi encontrado”, explicou o delegado.

No início deste mês, a polícia recebeu informação de onde ele poderia estar. A Justiça autorizou mandado de busca e apreensão na propriedade, mas ele não foi localizado.

Estupro

A estudante contou que o tio os estupros aconteciam dentro e fora da casa dele e duraram um ano e meio.

“Vamos no pasto com o titio buscar a égua para gente montar”, dizia o homem para a estudante quando ela tinha 9 anos.

Júlia Viana diz que o trauma não foi superado, mas que agora conseguiu expor o caso sem que o emocional fosse machucado. Por ela e pelas familiares, a estudante pede justiça contra o tio.

“Eu preciso que ele seja achado e que ele pague pelo que ele fez”, desabafou.

Nenhum comentário




Latest Articles