BRASÍLIA - Crianças e adolescentes participam de mobilização contra abuso e exploração sexual no Parque da Cida

Somente nos três primeiros meses deste ano, 4.480 casos foram denunciados em todo o Brasil. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República promoveu diversos atos no Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração de Crianças e Adolescentes

Da Redação, com agências
redacao@jornaldebrasilia.com.br


O dia 18 de maio é marcado por mobilizações do Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração de Crianças e Adolescentes. No Distrito Federal, diversas ações foram marcadas para chamar a atenção da sociedade e conscientizar a população sobre a relevância do tema. Dados alarmantes divulgados pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República mostram que a violência sexual é a quarta violação mais recorrente contra crianças e adolescentes. Somente nos três primeiros meses deste ano, 4.480 casos foram denunciados em todo o Brasil. 

Já no início da manhã desta segunda (18), a Secretaria de Direitos Humanos deu início à campanha “Faça bonito. Proteja nossas crianças e adolescentes". A principal intenção do projeto é mobilizar a comunidade para o enfrentamento da violência sexual contra menores. O local de encontro foi o estacionamento do Paque Ana Lídia, localizado no Parque da Cidade. O evento aconteceu das 9h às 12h. 

Meninos e meninas que foram atendidos pelos Centros de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) de Sobradinho e do Plano Piloto fizeram uma caminhada pedindo pelo fim da violência. Por volta das 11h, o ministro dos Direitos Humanos, Pepe Vargas e representantes do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, do Comitê Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual, de ONGs e de parlamentares fizeram um pronunciamento. No encerramento, balões foram soltos em alusão às vítimas de violência sexual. Até 27 de maio, os Creas das regiões administrativas farão ações pontuais em parceria com os Conselhos Tutelares, administrações regionais e organizações não-governamentais. A programação inclui debates, oficinas para crianças e caminhadas.

Estrutural

Um jardim de girassóis enfeitou a principal rua da Estrutural. Com as flores na cabeça — símbolo da ação —, cerca de 300 moradores uniram-se em caminhada com objetivo de chamar a atenção para o abuso e a exploração sexual de crianças e adolescentes. A iniciativa faz parte de campanha de cunho federal e mobilizará todo o Distrito Federal até 27 de maio. Os participantes andaram do centro de referência de assistência social da região até o centro olímpico, onde o ato foi encerrado com atividades culturais.

Em 2014, o conselho tutelar da região registrou 12 casos desse tipo de violência e, até este mês, três ocorrências. Segundo a coordenadora do órgão, Lucilaila Alencar, a violência mais comum é a intrafamiliar. "Os dados que temos são apenas os confirmados, mas existem muitos outros", afirma Lucilaila, que ressaltou a importância da denúncia por meio do Disque Direitos Humanos (Disque 100).

A falta de dados mais completos foi confirmada pelo coordenador e assistente social do centro de juventude da Estrutural, Natanael Damacena Costa: "Muitas vítimas só nos contam anos após a violência sexual, quando já se sentem capazes de se defender". O espaço oferece qualificação profissional, atividades desportivas e ação social para adolescentes e jovens de 15 a 29 anos.

Blitz educatica na Rodoviária

A partir das 16h, o Movimento Brasília Contra a Pedofilia realizará uma blitz educativa na Rodoviária do Plano Piloto com orientações para evitar que crianças sejam vítimas de pedofilia. Assim como as outras ações, o evento tem como objetivo mobilizar, sensibilizar, informar e convocar toda a sociedade para participar da luta em defesa das crianças e adolescentes. Com blusas brancas, cerca de vinte voluntários estarão no local distribuindo panfletos e informando à população sobre a importância da prevenção e orientação dos menores. "Iremos abordar as pessoas e conscientizar sobre a gravidade deste problema, que ocupa o quarto lugar no ranking de pedofilia nacional", informou a organização do ato.

Memória

A data do Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, instituída a partir da aprovação da Lei Federal nº. 9.970/2000, foi escolhida em referência a um crime ocorrido em Vitória (ES). Em 18 de maio de 1973, a jovem Araceli Crespo, de 8 anos, foi raptada, drogada, estuprada, morta e carbonizada por jovens da classe média alta da cidade. Apesar de hediondo, o crime prescreveu impune.

Dados

No primeiro trimestre de 2015, o Disque 100 registrou 21.021 denúncias de violações de direitos de crianças e adolescentes. De acordo com a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, os casos mais registrados foram de negligência, violência física, violência psicológica e violência sexual. O total de registros caiu 1,6% na comparação com os três primeiros meses de 2014. "Apesar do resultado negativo, não é possível afirmar que houve uma diminuição da violência, pois o Disque 100 é um serviço de atendimento público para registro de denúncias e prestação de informações sobre direitos humanos", informou o órgão.


Fonte: Da redação do Jornal de Brasília, com agências

Postar um comentário

0 Comentários