Pastor é preso suspeito de abusar de meninas de 9 e 12 anos na igreja

Ele confessou o crime para uma das famílias, mas os pais da criança preferiram não prestar queixas porque ele havia pedido perdão e prometido que pararia




Na manhã de segunda-feira (30/6), um pastor foi preso suspeito de abusar sexualmente de duas meninas, de 9 e 12 anos. Os crimes ocorreram em Formosa, Entorno do Distrito Federal, entre 2007 e 2012 e os relatos das crianças incluem abusos dentro da igreja que as famílias frequentavam. O pastor foi detido na casa dele, por volta das 11h. Ele negou as acusações, mas afirmou que só falaria sob juízo. O homem de 43 anos está preso preventivamente na cadeia da cidade.

A primeira denúncia foi registrada pela mãe de uma das vítimas, em dezembro passado. Segundo a titular da Delegacia de Atendimento à Mulher, Fernanda Lima, a mãe percebeu diferenças no comportamento da menina, que estava mais agressiva e “respondona”. Ela insistia em perguntar para a filha porque estava diferente, até que um dia a menina contou que o pastor havia abusado dela na igreja, quando tinha apenas 12 anos (a agressão teria ocorrrido há dois anos). De acordo com o depoimento da mãe, relatado pela delegada, a jovem disse que se sentia “um lixo” e que tinha “nojo de si mesma”, quando contou do abuso. 

O segundo caso, com relatos de abusos mais antigos, veio à tona durante as investigações. A menina, agora com 14 anos, teria sido abusada em duas ocasiões: uma na casa da avó e a outra na igreja. O pastor teria ido à casa da avó sob o pretexto de ajudar a consertar o computador, e teria cometido o crime quando ficou a sós com a menina – que tinha 9 anos à época. O segundo abuso ocorreu um ano depois, também na igreja, como no caso que detonou as investigações.

A primeira vítima chegou a contar para os pais sobre os abusos do pastor, mas eles optaram por não procurar a polícia. Quando a menina contou para a família, eles resolveram conversar com o pastor, que assumiu os abusos e pediu perdão, prometendo que nunca mais faria igual. A família perdoou o pastor e continuou frequentando a igreja.

“Ele (o pastor) se aproveitava da confiança dos fiéis. Era bem comum ele frequentar a casa das famílias, sobretudo as que tinham menores”, afirma a delegada. Lima explica também que o depoimento de muitas testemunhas apontam para boatos de que o pastor abusaria de meninas e, portanto, existe a possibilidade de outras vítimas. As investigações policiais, contudo, confirmam duas vítimas por enquanto.



Fonte - Correio Braziliense

Postar um comentário

0 Comentários