Hospitais com dificuldades no atendimento

Gama se recusa a atender paciente e Santa Maria não faz exames de fezes, urina e sague.

Está cada vez mais problemático o atendimento no sistema de saúde pública do Distrito Federal. Fatos lamentáveis ocorrem diariamente e deixa a população a mercê do tempo, a espera de um serviço médico de qualidade que pelo menos, amenize o sofrimento cada vez mais crescente.
No hospital do Gama, direção se recusa paciente de 12 anos por não poder atendê-lo na pediatria. “Alegaram que essa idade tem que consultar com um clínico geral, mas, não havia nenhum o clínico escalado. Se um médico que está desocupado não pode atender um paciente então cadê o especialista?”, perguntou a mãe de uma criança que estava na pediatria esperando por mais de cinco horas atendimento.

Leia o relato da mãe publicado em uma rede social

“Eu queria falar sobre minha indignação com o atendimento no Hospital do Gama, estive lá ontem à tarde com meu filho passando mal e só tinha médico na pediatria, mais como meu filho tem 12 anos, ele não podia ser atendido por um pediatra, então foi encaminhado para clínica médica, que como sempre, não tinha médico para atendê-lo. Então quer dizer que meu filho com 12 anos não pode ser atendido por um pediatra, mas, se ele estivesse roubando ele seria considerado um de menor? Fui até na delegacia fazer uma ocorrência, mas, não aceitam. Aí eu pergunto - quem se responsabiliza por algo que venha a acontecer com meu filho? É um absurdo você voltar com seu filho e ter que ir para HMIB, pois o hospital perto da sua casa não pôde atendê-lo. O mais absurdo é que vem a gerente responsável pelo plantão da tarde, vira e fala para você se virar com seu filho. O engraçado é que se eu a tratasse mal, seria desacato a funcionário público, mas, ela me destratar é o quê? Nada? Sem contar que isso é NEGLIGÊNCIA!
De acordo com o Conselho Americano da Prática Pediátrica (Council of Pediatric Practice), desde 1969, é aconselhado que o acompanhamento com este profissional deve prosseguir até que o paciente complete 21 anos de idade. No entanto, muitas entidades, públicas ou privadas, estabelecem limites arbitrários, como 12, 14 ou 16 anos para o atendimento por pediatras. Lembrando ainda que dentro da área da pediatria existe uma subespecialidade, a hebiatria, que atende o adolescente, pré-determinada dos 13 aos 21 anos.
Por sua vez, o Hospital de Santa Maria não está fazendo exames de fezes, urina e sangue. Várias pessoas procuraram a unidade durante o último mês e voltaram para casa sem conseguir marcação de exames. A justificativa é de que esses exames agora só podem ser feitos pelo hospital em crianças até 05 anos e em pessoas a partir de 60 anos. A insistirem pela por mais explicações, os pacientes são encaminhados aos postos de saúde da cidade sem previsão de marcação.
Em contato com a direção da unidade, a resposta é de que, essa é uma reformulação do sistema, adotado pela Secretaria de Saúde, que visa desafogar o sistema e garantir melhor qualidade aos usuários que frequentam diariamente o serviço. “Para esse tipo de atendimento, os pacientes são encaminhados para os postos de saúde da cidade”, informou um servidor.
Nas redes sociais o assunto tomou proporções gigantescas e a comunidade reprovou a adoção da medida pela Secretaria de Saúde.
De acordo com o internauta Márcio Wesley, os exames de urinas são coletados nos postos de saúde e encaminhados ao hospital, pois o laboratório fica na unidade de saúde. Todavia, teve que levar pessoalmente o material coletado até o hospital. “Semana passada a minha namorada precisou fazer um exame de urina, ao encaminhar ela ao posto de saúde, local que disseram estar fazendo exames, fui instruído de que era para ser entregue no hospital, fui ao mesmo e entreguei pessoalmente a coleta na mão do técnico responsável dentro do laboratório do hospital. Funcionando está, mas a falta de informação as vezes atrapalha”, relatou.


Fonte - Agência Satélite


Postar um comentário

0 Comentários