Zé diz que dificilmente usará duplas A.Patrick/Mancu e Guerrero/Damião

Em primeiro coletiva concedida antes de jogos, treinador afirma que conceitualmente não pretende utilizar dois centroavantes e destaca necessidade de ter um time veloz

Por Fred Gomes
Rio de Janeiro

Zé Ricardo pela primeira vez concedeu entrevista
 coletiva no CT (Foto: Fred Gomes/ GloboEsporte.com)

A sexta-feira rubro-negra não foi muito elucidativa em termos de time para a imprensa, que acompanhou somente a parte final da atividade. De diferente mesmo só Zé Ricardo no auditório do Ninho do Urubu. Foi a primeira vez em que o treinador, efetivado na semana passada, deu entrevista coletiva no CT. Zé revelou conceitos e destacou que não abrirá mão de um time veloz, assim praticamente descartando a possibilidade de usar dois armadores de jogo, como Alan Patrick e Mancuello, por exemplo. Também tratou como mínima a chance de usar Guerrero e Leandro Damião juntos futuramente.

- De forma bem situacional possam jogar, mas conceitualmente não é uma situação muito fácil de posicionar no campo, porque você acaba dando espaços para o adversário produzir nas costas dos dois atacantes. Temos que pensar, pois são grandes jogadores. O Flamengo estaria bem servido de finalizações e poderio ofensivo, mas conceitualmente a gente não pensa em usar dois atacantes de referência. Entendemos que atacante também tem que marcar também e temos que ver a disposição deles na sequência do trabalho - explicou Zé.

Em relação a uma eventual dupla de armadores, com Mancuello posicionado mais aberto, Zé explicou que também não vê o argentino como homem ideal para a função, pois vê como fundamental a presença de jogadores velozes pelos lados do campo.

- A gente só jogou com Alan e Mancuello juntos uma vez contra o Vitória e em alguns momentos de outros jogos a gente usou essa situação também. Entendo que o futebol hoje precisa de força, velocidade e técnica. Entendo que esses dois jogadores podem jogar juntos, sim, mas acredito que não podemos fugir da velocidade no lado de campo, tanto pra chegar no ataque quanto para fazer a recomposição.

Confira outros trechos:

Time muda muito em relação ao que enfrentou o Botafogo?

Basicamente vamos manter a equipe que vem jogando, mas pela ausência do Everton temos que fazer avaliações, como com a volta do Alan, mas não devem haver grandes alterações. A ausência mesmo é a do Everton.

Donatti e Damião não devem ser relacionados contra o América-MG

Damião e Donatti vêm de tempo parado, o Damião vinha fazendo trabalho individuais, e o Donatti também. Ambos estão aumentando sua carga de trabalho paulatinamente. Podem até ser relacionados para esse jogo, mas na sequência é que talvez venham a figurar. O importante é levar jogadores 100% fisicamente.

Como se sentindo falando no CT pela primeira vez como efetivado?

Esses dois meses vão dando um pouquinho mais de tranquilidade para trabalhar. Em relação ao clube, nunca tive dúvida da confiança que me dão para trabalhar. A gente não tem grandes mudanças, apenas a novidade é o fato de eu estar aqui pela primeira vez.

América-MG motivado por mudança de técnico

O Enderson (Moreira) é experiente, houve mudança de comando, e isso gera expectativa nos jogadores, houve contratações. Temos que impor nosso ritmo e voltar a jogar bem. Temos que conquistar os três pontos para ficarmos próximos do G-4. Temos quatro adversários, dois diretos e dois que estão um pouco mais abaixo. 

Compreensivo com desconfiança por conta da inexperiência

Me sinto totalmente preparado para estar onde estou. Fiquei muitos anos na base, o que dá um grande handicap, mas só vou pegar experiência trabalhando. 

Elenco com medalhões pode gerar atrito?

Prefiro 100% estar nessa situação, com elenco forte, do que o inverso. Quando contratamos, avaliamos várias coisas, inclusive a parte de caráter. Estamos formando um grupo onde a vaidade deve estar no segundo plano.

Mesmo com irregularidade, olho no G-4 e no hepta

A gente vê a maioria das grandes equipes alternando dentro da própria competição. O ideal era que todas as equipes fossem formadas na pré-temporada. Aqueles que conseguem fazer isso acabam levando um pouco de vantagem. A gente busca uma sequência de quatro ou cinco jogos ganhando e jogando bem. A gente conseguiu jogar bem, mas nos jogos já tivemos momentos de desconcentração. Dos jogos que participamos, talvez o que menos me agradou foi o último. Vamos tentar conseguir essa regularidade no final do turno para arrancar na busca pelo G-4 e pelo título também.

Jogos às segundas

Vivi um ano na Itália trabalhando com futsal, e lá existia também um jogo após a rodada. Vi uma aceitação muito grande, cheguei até a assistir a alguns jogos para entender. Comercialmente me parece uma boa, e se não tivermos jogos no meio da semana, eu não vejo problema algum. Se tiver jogos trepados um cima do outro, aí pode trazer prejuízo.


Fonte - Globo Esporte

Postar um comentário

0 Comentários