Após quatro meses, chuvas devem voltar ao DF ainda nesta semana, diz Inmet

Meteorologistas preveem precipitação de 'forte intensidade' entre quinta e sábado. Chuvas devem ser rápidas, com trovoadas e rajadas de vento; estiagem chega a 120 dias.


Raios sobre região do DF (Foto: Felipe Bastos/Arquivo pessoal)
Os dias de clima seco e de baixa umidade estão chegando ao fim no Distrito Federal, de acordo com as previsões do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Segundo os especialistas, uma chuva rápida e de ‘’forte intensidade” deve cair na capital federal entre quinta-feira (21) e sábado (23).

Com a precipitação, as temperaturas devem ficar amenas, pondo fim aos longos 120 dias de estiagem e calor. De acordo com a meteorologista do Inmet Ingrid Peixoto, o fenômeno deve ser motivado por um conjunto de fatores.

“A combinação entre calor e umidade pode favorecer a formação de chuvas de forte intensidade que podem vir acompanhadas de trovoadas, descarga elétrica e rajadas de vento.”

O evento, no entanto, não marca o início da estação chuvosa. O Inmet afirma que, apesar das chuvas previstas para esta semana, a precipitação com frequência regular chegará apenas em novembro.

A meteorologista ressalta ainda que os meses de setembro e outubro são considerados “períodos de transição” da estação seca para a chuvosa. E, por isso, de acordo com os estudos do Inmet, os prognósticos indicam que pode haver um atraso para chegada da estação com chuvas mais frequentes em Brasília.

Sol forte sobre o Distrito Federal (Foto: Vianey Bentes/TV Globo)
Queimadas

Há 120 sem chuva, o DF tem passado por um período prolongado e intenso de seca. Nesta segunda (18), a temperatura máxima foi de 29º C e 19% o menor índice de umidade, registrado na região do Gama.

O calor acentuado tem provocado efeito também na fauna e flora. Desde domingo (17), mais de 60 militares do Corpo de Bombeiros trabalham na tentativa de conter o fogo que atinge parte da Floresta Nacional de Brasília (Flona), às margens da DF-001.

Militares do Corpo de Bombeiros tentam apagar chamas que atingem Floresta Nacional (Foto: CBMDF/Divulgação)
Além dos brigadistas no solo, uma aeronave é empregada no combate a dois focos de fogo na região. Até a publicação desta reportagem, o Corpo de Bombeiros não tinha informações sobre o tamanho da área queimada. A medição só poderá ser feita ao fim dos trabalhos.

No entanto, segundo Ingrid Peixoto, o aumento da umidade ocasionado pelas chuvas previstas para esta semana vai favorecer o combate a incêndios nas vegetações, já que torna úmida a folhagem seca que serviria de combustível para o fogo.

"A partir de quinta teremos temperaturas mais amenas e um aumento da umidade. Perdemos, assim, o combustível para o fogo."


Tronco de árvore fica exposto em terreno arenoso após baixa do volume de água do reservatório do Descoberto nesta quarta-feira (9) (Foto: Alexandre Bastos/G1)
Abaixo da média

Um relatório desenvolvido pelo grupo de previsão climática do Ministério de Ciência e Tecnologia indicou que há 40% de chance de que as chuvas na região central do Brasil em setembro, outubro e novembro deste ano fiquem abaixo da média histórica. O estudo foi divulgado no fim do mês de agosto.

A previsão preocupa os moradores da capital federal, que enfrentam o racionamento de água desde janeiro. Passados oito meses desde o início do rodízio, os dois principais reservatórios da capital estão com volume útil abaixo dos 40%.


Fonte - G1/DF

Postar um comentário

0 Comentários