Estudante baleada por colega em escola de Goiânia está paraplégica, diz hospital

Isadora de Morais, 14, sofreu uma lesão na medula, que comprometeu, em definitivo, o movimento das pernas; segundo a mãe, menina chegou a pedir 'as pernas de volta' aos médicos.

Resultado de imagem para Estudante baleada por colega em escola de Goiânia está paraplégica, diz hospital

Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo) confirmou, na manhã desta quarta-feira (25), que a estudante Isadora de Morais, de 14 anos, baleada por um colega no colégio em que estuda, está paraplégica. Segundo o último boletim divulgado pela assessoria de comunicação da unidade, a menina sofreu uma lesão na medula e perdeu o movimento das pernas.

“A adolescente apresenta uma lesão na medula espinhal, no nível da 10ª vértebra da coluna torácica, que comprometeu os movimentos dos membros inferiores de forma definitiva. A paraplegia já havia sido diagnosticada no dia de sua admissão”, informou o hospital.

De acordo com a nota, Isadora continua internada em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) humanizada, com estado de saúde regular. A menina está, segundo o hospital, orientada, consciente e respirando sem a ajuda de aparelhos.

Além de Isadora, continuam internadas as estudantes Marcela Macedo, que segundo a assessoria de comunicação do Hugo está internada em uma enfermaria com estado regular, e Lara Fleury, que está no Hospital dos Acidentados e não teve o boletim médico divulgado. Lara divulgou um áudio na terça-feira (24) para agradecer o apoio das pessoas e revelou que está se recuperando.

A mãe de Isadora, Isabel Morais, disse durante durante culto em homenagem às vítimas dos tiros, realizado na terça-feira (24), que a filha pediu "as pernas de volta" aos médicos. A mãe da adolescente afirmou ainda que tem fé de que a filha possa se recuperar.

"Ela me disse: 'Mamãe, morri e parecia que estava em um sonho e acordei de novo. Fala para os médicos que quero minhas pernas de volta'. Acredito, creio que Deus vai recuperar a medula da minha filha, sei que Deus faz o impossível, mas também sei que minha dor não é maior do que a de quem perdeu os filhos”, completou.


Fonte - G1/Goiás

Postar um comentário

0 Comentários