PCDF desarticula grupo que traficava drogas sintéticas via Correios

Estão sendo cumpridos 50 mandados. Os entorpecentes eram encomendados por pessoas de classes média e alta, via internet e WhatsApp

IGO ESTRELA/METRÓPOLES
Policiais civis do DF fazem operação nesta quinta-feira (15/3) contra o tráfico de drogas no Paranoá. As investigações estão a cargo da 6ª Delegacia de Polícia. Ao todo, 25 mandados de prisão e 25 de busca e apreensão foram expedidos pela Justiça. O alvo é uma associação criminosa voltada para o tráfico de drogas sintéticas, como LSD, ecstasy e MDMA. Os entorpecentes eram encomendados por pessoas de classes média e alta, via internet e WhatsApp, e enviados via Correios.


Oito pessoas do DF (Valparaíso, Águas Lindas, Brazlândia, São Sebastião e Arniqueiras) estão na mira dos policiais, além de integrantes do grupo que atuavam em São Paulo, Goiás, Tocantins, Rondônia, Bahia, Paraná, Bahia, Minas Gerais e Rio Grande do Norte. As investigações começaram em novembro do ano passado.

Entre os presos está um agente de atividade socioeducativa, Evandro Pereira de Oliveira. A função dele, segundo a PCDF, seria passar informações para a quadrilha.

O grupo agia de forma organizada, com divisão de tarefas. Uns cooptavam clientes na internet. Outros conferiam os depósitos. Uma terceira “seção” produzia as drogas sintéticas, que eram distribuídas em todo o país. Um dos alvos já tinha sido preso no Bélgica quando tentava embarcar com ecstasy para o Brasil.

De acordo com o delegado Erico Mendes, chefe da 6ª DP, a investigação começou com a prisão de um advogado no Paranoá em outubro do ano passado, que traficava drogas sintéticas. Agora, a polícia quer saber quem fornecia os entorpecentes para a quadrilha.

Até as 8h30, 20 pessoas haviam sido presas. Também foram apreendidos R$ 17,5 mil em espécie na cidade de Samambaia.


Fonte - Metrópoles

Postar um comentário

0 Comentários