Ibaneis a novos administradores: “Quem não corresponder, será trocado”

O governador anunciou os gestores durante lançamento do programa SOS DF e deu prazo de 100 dias para apresentarem resultados. Saiba quem são

DISTRITO FEDERAL
JP RODRIGUES/METRÓPOLES
Primeira agenda pública de Ibaneis Rocha (MDB) como governador, o lançamento do programa SOS DF, nesta sexta-feira (4/1), tornou-se um megaevento, lembrando a época de campanha. O emedebista foi saudado com fogos de artifício e cercado por centenas de moradores do Sol Nascente, em Ceilândia. A região foi escolhida a dedo pelo político, uma vez que era considerada reduto do ex-governador Rodrigo Rollemberg (PSB). No local, ele também anunciou os novos administradores regionais e deu um prazo para mostrarem serviço: 100 dias.
"Farei uma avaliação diária e aqueles que em 100 dias não atingirem as metas que eu estabeleci serão trocados ou terão que prestar contas comigo e com a sociedade sobre qual foi o motivo pelo qual não solucionou"Ibaneis Rocha, governador do DF
O novo programa do governo ajudará os administradores na manutenção das cidades. Serão 250 equipamentos, como caminhões e tratores, e 750 funcionários em atuação. Segundo Ibaneis, a diferença para o Cidades Limpas é que o programa de Rollemberg cuidava só da limpeza e da pintura e fazia algumas operações tapa-buracos.

“A ideia do SOS é ser uma ação conjunta que vai reunir não só a área de infraestrutura, obras e limpeza, mas também a parte da saúde, na qual vamos trazer mais profissionais e reformar os hospitais”, explicou Ibaneis. Ele também disse que 200 escolas estão cadastradas para reformas a partir de segunda (7).

O SOS DF prevê ações emergenciais para melhorar os serviços prestados pelo Distrito Federal. Na área de saúde, Ibaneis anunciou reforço nas equipes da vigilância sanitária e contratação de profissionais aposentados por meio de pagamento de gratificações. O mesmo sistema será adotado na segurança – para reabertura de delegacias – e na educação.

O decreto que cria o programa foi assinado ao lado de dezenas de máquinas, tratores e caminhões. Além de moradores, a solenidade foi prestigiada por parlamentares, secretários e aliados de Ibaneis, entre eles os presidentes do MDB-DF, Tadeu Filippelli, e do PP-DF, Rôney Nemer.

Eleições
Sobre as eleições para administradores regionais, Ibaneis disse que encaminhará o projeto de lei à Câmara Legislativa (CLDF) até segunda (7/1). “Espero convocar a Casa para aprovar todos os projetos emergenciais. Esses que estão sendo nomeados vão ter um prazo para trabalhar e, a partir das ações, a comunidade vai ratificar esses nomes ou escolher outros nomes”. O prazo seria de seis meses para que o processo seja concluído.

O emedebista vai ampliar o número de administrações, de 31 para 34. Serão criadas as do Sol Nascente e Pôr do Sol, de Arniqueiras e do Arapoanga. Estuda-se, ainda, um órgão específico para o Itapoã, mas essa possibilidade será firmada ao longo do governo.

O administrador de Santa Maria ainda não foi anunciado. Segundo a equipe do governador, o nome deve ser divulgado ainda nesta sexta (4). Ibaneis não escolheu também os responsáveis por Arniqueiras e Arapoanga.

Veja quem são os novos administradores:

Região Administrativa do Plano Piloto
ILKA TEODORO

Região Administrativa do Gama
JULIANA GONÇALVES NAVARRO

Região Administrativa de Taguatinga
KAROLYNE GUIMARÃES DOS SANTOS

Região Administrativa de Brazlândia
JESIEL COSTA ROSA

Região Administrativa de Sobradinho I
EUFRÁSIO PEREIRA DA SILVA

Região Administrativa de Planaltina
GILSON AMORIM SOBRINHO

Região Administrativa do Paranoá
SÉRGIO COSTA DAMACENO

Região Administrativa do Núcleo Bandeirante
ADALBERTO FERREIRA DE PAULA CARVALHO

Região Administrativa de Ceilândia
FERNANDO BATISTA FERNANDES

Região Administrativa do Guará
JOSIVÂNIA JORGE DA SILVA GURGEL

Região Administrativa do Cruzeiro
FELIPE RODRIGUES OLIVEIRA

Região Administrativa de Samambaia
GLAYCE HELENA BARBOSA ALVES DE ALMEIDA

Região Administrativa de São Sebastião
ALAN JOSÉ VALIM MAIA

Região Administrativa de Recanto das Emas
CARLOS DALVAN SOARES DE OLIVEIRA

Região Administrativa do Lago Sul
RUBENS SANTORO NETO

Região Administrativa do Riacho Fundo I
ANA LÚCIA PEREIRA DE MELO

Região Administrativa do Lago Norte
MARCELO FERREIRA DA SILVA

Região Administrativa da Candangolândia
JOSÉ LUIZ GONZALEZ RODRIGUEZ

Região Administrativa de Águas Claras
NEY ROBSTHON OTAVIANO DE ALMEIDA

Região Administrativa do Riacho Fundo II
ANA MARIA DA SILVA

Região Administrativa do Sudoeste/Octogonal
MÁRIO LÚCIO DE OLIVEIRA

Região Administrativa do Varjão
NAIR QUEIROZ PESSOA

Região Administrativa do Park Way
JOSÉ JOFFRE NASCIMENTO

Região Administrativa da Estrutural
GERMANO GUEDES DE SOUZA LEAL

Região Administrativa de Sobradinho II
ALEXANDRE DE JESUS SILVA YAÑEZ

Região Administrativa do Jardim Botânico
JOÃO CARLOS COUTO LÓSSIO FILHO

Região Administrativa do Itapoã
ALESSANDER CARREGARI CAPALBO

Região Administrativa do Setor Complementar de Indústria e Abastecimento/Setor de Indústria e Abastecimento
HÉLIO RODRIGUES AVEIRO

Região Administrativa de Vicente Pires
DANIEL DE CASTRO SOUSA

Região Administrativa da Fercal
FERNANDO GUSTAVO LIMA DA SILVA

Região Administrativa Pôr do Sol/Sol Nascente (nova)
GOUDIM CARNEIRO

Primeira ação
Segundo o secretário de Comunicação, Weligton Moraes, o programa será a primeira ação governamental de impacto imediato para a população. “O SOS DF já está nas ruas com 30 equipes e mais de 400 equipamentos. Esse quantitativo de pessoal e de equipamentos será aumentado. Em seguida, serão lançados o SOS Saúde, o SOS Segurança e o SOS Rural”, informou. A intenção, de acordo com ele, é recuperar a capital. “Brasília está visivelmente desgastada. É uma ação para cuidar da cidade”, completou.

Embora ainda não tenha previsão sobre qual será o custo do programa, o Governo do Distrito Federal prevê uma ação integrada. Nesta primeira fase, servidores estão nas ruas para colocar em prática a força-tarefa em órgãos como o Departamento de Estradas de Rodagem do Distrito Federal (DER-DF), Serviço de Limpeza Urbana (SLU), Companhia Energética de Brasília (CEB) e Companhia de Saneamento Ambiental do DF (Caesb). Também participam a Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap) e a Secretaria de Obras e Infraestrutura, entre outros órgãos.

Saúde e segurança
As próxima etapa será colocar em campo as equipes de saúde e de segurança. O SOS Saúde terá mutirões de cirurgias eletivas, principalmente ortopédicas, cardíacas e oncológicas. A intenção é reduzir as filas nos hospitais e prestar melhor atendimento à população.

“Vamos terminar de pagar R$ 29 milhões de faturas atrasadas e, a partir de segunda-feira [7/1], vamos fazer os mutirões de cirurgias cardíacas e voltar com o atendimento das pessoas com câncer, principalmente na área de medula óssea”, comentou o chefe do Palácio do Buriti, Ibaneis Rocha, nessa quarta (2).

Segundo Ibaneis, também haverá a liberação do pagamento de horas extras para funcionários que queiram trabalhar em jornadas extraordinárias, fazendo novas cirurgias, e do horário noturno, no qual, de acordo com o governador, “existe uma capacidade ociosa na área”. Um decreto será publicado para convocar médicos que se aposentaram há pouco tempo e desejam retornar à atividade.

“Será uma forma de darmos um melhor atendimento para a sociedade. Quero contratar todos que forem necessários para zerar as filas nos hospitais e manter o nosso sistema em funcionamento até que a gente possa fazer novos concursos públicos”, disse. A gratificação seria de R$ 8 mil para 20 horas de trabalho.
Na área de segurança pública, serão realizadas ações educativas, além da criação de uma gratificação para policiais civis, e o governo aumentará o valor dos benefícios dos policias militares, que, segundo o emedebista, hoje é de R$ 300. “Vamos nivelar os dois em R$ 400 para eles trabalharem nos horários de folga, e vamos instituir uma gratificação na PCDF [Polícia Civil do Distrito Federal] em torno de R$ 2,5 mil para os policiais que queiram retornar à atividade”, afirmou.

SOS Rural
O SOS Rural é outra vertente do SOS DF. O planejamento prevê a recuperação imediata de equipamentos públicos abandonados e deteriorados que servem à população do campo. Ganhará ênfase o trabalho em vias esburacadas, escolas sucateadas e unidades de saúde problemáticas.

Um dos objetivos é mitigar os problemas relativos à iluminação pública nessas áreas. Também serão melhoradas vias que dão acesso às escolas rurais.


Fonte - Metrópoles

Postar um comentário

0 Comentários