Page Nav

HIDE

Últimas notícias:

latest

Ads Place


UFMG identifica veneno de aranha com potencial para tratar disfunção erétil; entenda

Estudo é desenvolvido há 20 anos e resultou em uma molécula que pode ser usada em gel para favorecer a ereção masculina.

Por g1 Minas — Belo Horizonte

Aranha-armadeira fêmea após matar outra da mesma espécie. — Foto: Luciano Lima/TG

Pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) identificaram um veneno de aranha com potencial para tratar a disfunção erétil. O estudo é desenvolvido há 20 anos e resultou em uma molécula que pode ser usada em gel para favorecer a ereção masculina.

Nesta reportagem você vai entender:

  • Que aranha é essa?
  • O que é disfunção erétil?
  • Como a pesquisa surgiu?
  • Quais os resultados do estudo?
  • Quando o produto vai estar no mercado?
Veja abaixo os principais pontos da pesquisa.

🕷️ Que aranha é essa?

Ao se levantar, armadeira mostra os ferrões para afastar a ameaça. — Foto: Marlon Oliveira/VC no TG

A Phoneutria nigriventer, nome científico da aranha-armadeira, é encontrada em países da América do Sul, incluindo o Brasil. Em Minas Gerais, está presente em áreas urbanas e rurais.

O animal recebeu esse nome por causa de sua posição de ataque, com as patas dianteiras levantadas (veja foto acima). Quando se sente ameaçada, pode saltar até 40 centímetros.

A espécie é uma das mais venenosas do mundo. A toxina é capaz de causar, especialmente em homens jovens, uma ereção involuntária e dolorosa, conhecida como priapismo, que pode levar à necrose do pênis.

Uma mordida dela pode ser fatal.

🤔 O que é disfunção erétil?


Disfunções sexuais afetam homens e mulheres.

A disfunção erétil é a incapacidade persistente de produzir ou manter uma ereção suficiente para uma relação sexual satisfatória.


As causas variam e, muitas vezes, estão relacionadas com fatores psicológicos, como ansiedade e estresse.

Também pode ser consequência de problemas físicos, que afetam a vascularização ou enervação do pênis.

🔍 Como a pesquisa surgiu?

Professora Maria Elena de Lima, da UFMG. — Foto: Assessoria de Comunicação da Santa Casa de BH

Os pesquisadores da UFMG buscaram compreender, do ponto de vista farmacológico, os mecanismos que geram o priapismo ocasionado pelo veneno da aranha-armadeira.

O estudo começou há quase 20 anos, com base em uma tese de doutorado. Ele é liderado pela professora aposentada Maria Elena de Lima, do Departamento de Bioquímica e Imunologia do Instituto de Ciências Biológicas (ICB/UFMG).

Em laboratório, a partir do veneno da aranha, os cientistas conseguiram extrair uma molécula sintética com propriedades promissoras para a criação de um gel contra a disfunção erétil.

🧪 Quais os resultados do estudo?

Até o momento, a molécula, batizada de BZ371A, já gerou 22 patentes internacionais e nove aplicadas.
De acordo com a professora Maria Elena de Lima, a pesquisa é "inspirada pela nossa biodiversidade, que começa com o estudo do veneno de uma aranha e está próxima de gerar um possível medicamento".

O candidato a fármaco para disfunção erétil foi aprovado recentemente na fase 1 de testes pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que avalia os possíveis efeitos no organismo. A primeira etapa provou que o composto não é tóxico para humanos.

Em teste-piloto, realizado em homens e mulheres, os pesquisadores observaram que a aplicação tópica (na pele) do BZ371A resulta na vasodilatação e no aumento do fluxo sanguíneo local, facilitando a ereção peniana. O mesmo ocorreu em experimentos anteriores com camundongos.

🙋‍♂️ Quando o produto vai estar no mercado?

A Biozeus Biopharmaceutical, empresa que adquiriu a patente do fármaco, prepara o início dos ensaios clínicos da fase 2, quando o BZ371A será testado em homens que passaram por cirurgia de retirada da próstata (prostatectomizados). A intervenção geralmente leva à disfunção erétil.

Nesta etapa, será testado o potencial do remédio, ao comparar o efeito em indivíduos saudáveis com o gerado nas pessoas prostatectomizadas.

Se aprovado na segunda fase, os testes vão para a fase 3, quando serão ampliados e poderão ser feitos em hospitais. Apenas depois disso, o fármaco poderá ser validado como medicamento.

Apesar de não ter uma previsão para chegar ao mercado, a pesquisa indica que o possível fármaco tem potencial para ajudar homens que, por diferentes motivos, não podem fazer uso dos medicamentos disponíveis atualmente nas farmácias, como o Viagra e Cialis.

Segundo os pesquisadores, uma vantagem é que a aprovação de medicamentos tópicos, como o gel, costuma ser bem mais rápida, em razão da menor possibilidade de efeitos colaterais adversos.

Nenhum comentário




Latest Articles