Page Nav

HIDE

Últimas notícias:

latest

CAMPANHA - COMBATE A DENGUE


Deputados participam de velório de preso do 8/1 que morreu na Papuda

Após o velório, corpo de Cleriston Pereira seguiu em carreata pelo Acampamento 26 de Setembro, e depois foi para a Bahia onde será enterrado


Vinícius Schmidt/Metrópoles

Familiares e amigos se despediram de Cleriston Pereira da Cunha, 46 anos, nesta terça-feira (21/11), durante velório no Espaço Floresta, no Acampamento 26 de Setembro. Preso pelos atos de 8 de janeiro, o “patriota” morreu na segunda-feira (20/11), após um infarto fulminante durante banho de sol no Centro de Detenção Provisória (CDP) 2 do Distrito Federal, no Complexo Penitenciário da Papuda.

Alguns deputados participaram da cerimônia, como os distritais Pastor Daniel de Castro (PP) e Thiago Manzoni (PL), e os federais Bia Kicis (PL-DF), Nikolas Ferreira (PL-MG) e Marcel Van Hattem (Novo-RS).

Nikolas Ferreira (PL-MG), participou da cerimônia - Foto Vinícius Schmidt/Metrópoles

Ao final da cerimônia, o corpo de Cleriston seguiu em carreata pelo 26 de Setembro. Dezenas de carros participaram da homenagem. Na sequência, seguiu para Bahia, terra natal do “patriota”, onde será enterrado.

Laudo

Laudo médico de Cleriston apontava risco de morte caso permanecesse preso, em função da gravidade do quadro clínico. O documento, emitido em julho deste ano, foi usado pela defesa dele para indicar a gravidade da situação médica do homem.

Veja o documento:
Material cedido ao Metrópoles

Laudo médico

O documento apresentava um quadro de vasculite — inflamação nos vasos sanguíneos — de múltiplos órgãos. Cleriston ficou internado por 33 dias em 2022 após ter sido diagnosticado com Covid-19. De acordo com a família, o “patriota” desenvolveu uma série de comorbidades.
Socorro

Em entrevista ao Metrópoles na noite de segunda-feira, a viúva de Cleriston, Jane Duarte, 45, destacou que pedia socorro pelo marido enquanto ele esteve preso. Ela contou que levava os remédios com frequência.

“Eu avisei, dei atestado médico, laudo. Eu falava: ‘Gente, pelo amor de Deus!'”, lembrou. “Eu sempre relatava sobre a saúde dele. Nada foi ouvido, nada foi visto, nada”, indignou-se a viúva. “Hoje eu me encontro viúva. E os nossos sonhos?”, queixou-se.

De acordo com Jane, Cleriston tomava nove medicamentos por dia; e ela, com frequência, levava os fármacos para o marido ter acesso ao tratamento.

Família

Jane e Cleriston tinham 25 anos de casados e moravam há dois anos em uma casa em Vicente Pires. Os dois mantinham uma loja no Acampamento 26 de Setembro.

As autoridades apuram a causa da morte. Em nota, a Secretaria de Administração Penitenciária do Distrito Federal (Seape) confirmou a morte, registrada por volta das 10h. O preso era acompanhado por equipe multidisciplinar da Unidade Básica de Saúde (UBS) da prisão desde a entrada no complexo, em 9 de janeiro último.

“Hoje, essa mesma equipe de saúde realizou manobras de reanimação assim que constatado o mal súbito, até a chegada da equipe do Samu [Serviço de Atendimento Móvel de Urgência] e dos bombeiros, imediatamente acionados”, destacou a pasta.

Quem era Clezão do Ramalho

Conhecido entre amigos e parentes como Clezão do Ramalho, Cleriston tinha 46 anos e nasceu na Bahia, mas morava há ao menos 20 anos no Distrito Federal.

O comerciante era irmão do vereador Cristiano Pereira da Cunha – do município baiano de Feira da Mata, no oeste do estado –, também conhecido como Cristiano do Ramalho.

O detento estava no grupo que invadiu o Supremo Tribunal Federal (STF), o Palácio do Planalto e o Congresso Nacional, durante os atos antidemocráticos de 8 de janeiro deste ano.

O nome de Cleriston constava na relação dos presos divulgada pela Secretaria de Administração Penitenciária do Distrito Federal (Seape).

Nenhum comentário




Latest Articles