Justa homenagem aos grandes responsáveis pela identificação

Uma solenidade em homenagem ao Dia do Perito Papiloscopistas, foi realizada no último dia 5 de fevereiro, no plenário da Câmara Legislativa do Distrito Federal.


O evento foi organizado pela Asbrapp - Associação Brasiliense de Peritos papiloscopistas (Asbrapp) e contou com a presença de representantes do Sinpol - Sindicato dos Policiais Civis do DF, deputados distritais e federais e convidados que lotaram as galerias e plenário daquela Casa de Leis, além de uma comissão de peritos papiloscopistas aprovados em concursos e que ainda não foram chamados.

A proposta para a sessão solene, partiu do deputado distrital Raimundo Ribeiro (PSDB), que presidiu a sessão.

Ribeiro enfocou da importância do trabalho dos peritos papiloscopistas que, apesar de atuarem nos bastidores, são fundamentais para que a Polícia Civil obtenha êxito nas investigações. “É muito importante homenageá-los porque nós sabemos que a população, em sua maioria, não tem ciência da altíssima qualificação e eficiência dos peritos papiloscopistas”, ponderou o parlamentar. “Além de tudo, são profissionais, que mesmo enfrentando grandes dificuldades no exercício da profissão, são fortemente dedicados à missão de servir”. Ribeiro ainda falou da necessidade de contratação de mais profissionais da área.
Por sua vez, o presidente do Sinpol-DF, Rodrigo Franco, popularmente conhecido por Gaúcho, lembrou da luta dos profissionais que há anos, travam uma batalha para serem reconhecidos como peritos oficiais, lembrando inclusive que em situações de bastante complexidade, principalmente em outros estados, os profissionais do DF é que são chamados para poderem solucionar tais situações, citando como exemplos os acidentes da TAM em São Paulo e Gol no Amazonas. Chamou a atenção da Secretaria de Segurança Pública (SSP) e a própria Direção Geral da Polícia Civil para que valorizarem devidamente a categoria, reconhecendo-os como peritos de fato. “Em 2015, fizemos essa cobrança aqui, no entanto um ano se passou e não houve avanços nesse sentido. Hoje, trazemos o pleito novamente para a discussão com os gestores, cobrando, sobretudo, que esse reconhecimento parta da própria instituição”, cobrou.

Já presidente da Asbrapp, Rodrigo Meneses, fez um comparativo de equiparação ao trabalho dos peritos papiloscopistas dos demais peritos, uma vez que seus laudos instruem processos criminais da mesma forma que outros laudos. “Nossa categoria contribui da mesma forma dos demais para o trabalho de investigação da instituição. Não existe uma hierarquia entre laudos, por isso buscamos a isonomia dentro da Polícia Técnica”.

Durante a solenidade, vários profissionais foram homenageados e receberam uma placa comemorativa, além de diploma de reconhecimento por serviços prestados à sociedade. Entre os homenageados estavam Alceu Prestes de Mattos, um dos mais conhecidos profissionais da instituição e que recebeu a homenagem diretamente das mãos do distrital Raimundo Ribeiro e do presidente da Asbrapp Rodrigo Meneses. Segundo ele a honraria foi mais um gesto de reconhecimento aos servidores pela contribuição ao trabalho de investigação da Polícia Civil. “Esta homenagem é para todos os nossos companheiros peritos papiloscopistas que sempre contribuíram de maneira impar e que até os dias de hoje não foram reconhecidos profissionalmente”, enfatizou. Alceu ainda falou do trabalho que atravessou gerações realizado pelos peritos papiloscopistas. “Vejo a importância do trabalho e o comprometimento da categoria, uma vez que, muitos dos que estão aqui hoje foram nossos alunos no passado e hoje estão nos sucedendo. Estão de parabéns por dar continuidade ao trabalho que foi iniciado por nossos antecessores e que está atravessando gerações”, completou. 

Para finalizar o dia em homenagem aos peritos papiloscopistas, participaram de um almoço no Bar do Alemão, oferecido pela Asbrapp. Na confraternização, os convidados puderam reencontrar velhos amigos e colocar os assuntos em dia.

Durante a confraternização, o vice-presidente do Sinpol Renato Rincon falou da importância do reconhecimento e valorização dos policiais e da crise em que passa a Polícia Civil. De acordo com ele, há um “descompromisso” por parte do governo local em oferecer condições salubres aos profissionais. “Infelizmente o governo não tem compromisso com a categoria. Prova disto são as delegacias esvaziadas e sem profissionais. É humanamente impossível uma unidade policial trabalhar com apenas dois ou três profissionais. Para se ter uma ideia, apesar do aumento da população, o efetivo da Polícia Civil diminuiu aproximadamente 50% nos últimos dez anos e a maioria dos profissionais já estão de cabelo branco. Isso sem falar em perdas salariais, que é fator marcante junto a categoria”, disse.

Rincon ainda destacou as condições de trabalho dos policiais. “Infelizmente os policiais trabalham no limite com viaturas sucateadas, armamento fora dos padrões e para completar, com coletes balísticos fora do prazo de validade. Trocado por miúdos, nossos policiais são guerreiros e trabalham mais por amor a instituição do que por outras questões”, enfatizou.

Com relação as recentes informações sobre o desarmamento dos aposentados, conforme dito pela imprensa nacional, Rincon disse que há uma distorção de entendimento das informações. Segundo ele não houve “o desarmamento” conforme o noticiado e sim, que o profissional ao se aposentar, tem necessariamente que entregar a arma da corporação, bem como, na qualidade de qualquer cidadão, deve possuir uma arma registrada em seu nome e o porte sempre atualizado. “Não houve qualquer proibição e sim, que o aposentado use uma arma de sua propriedade, dentro dos padrões legais”, finalizou. 

Os demais homenageados foram: Paulo Fernandes, João Leite, Mayre Bessa, Ritta Paim, Júlio Martins, Ailton Ferreira, Gêmina, entre outros.


Da Agência Satélite

Postar um comentário

0 Comentários