Everaldo Continua vivo para a política



Mesmo com o parecer desfavorável a aprovação das contas de sua gestão pelo TCM, o ex-prefeito de Novo Gama Everaldo Vidal, mostra força política, consegue maioria na Câmara e continua na vida pública rumo às eleições do próximo ano.

Diferentemente do cenário vivido nos últimos dois anos, aonde ex-prefeito Everaldo Vidal não contava com o apoio maciço na Câmara Municipal, as coisas parecem ter mudado e os ventos sopraram a seu favor deixando aberta a possibilidade de o ex-mandatário do município almejar alçar novos voos.

Enganava-se quem dizia que, a exemplo de Sônia Chaves (PSBD) há anos atrás, Everaldo estivesse morto para a política, pois, em votação do parecer do Tribunal de Contas dos Municípios de Goiás - TCM, emitido sobre as contas da sua gestão no exercício 2014, o egrégio colegiado sugeriu a reprovação dessas, tendo em vista várias possíveis irregularidades, entre as quais, repasses inferiores aos percentuais exigidos por lei para a saúde e educação. Mas, no relatório nada foi mencionado sobre o famoso escândalo do suposto desvio de mais de R$ 6 milhões em compra de materiais de limpeza. Com relação ao fato, Everaldo era investigado pela Decap e até o presente momento nada provado em seu desfavor.

Assim, a Câmara Municipal em Sessão Ordinária, realizada na manhã da última segunda-feira (14) e diferentemente do que planejava o governo, dez vereadores votaram a favor da aprovação das contas do ex-prefeito, enquanto quatro reprovaram. “Foi um balde de água fria na atual gestão que contava como certa a reprovação das contas de Everaldo e tranquilidade para um futuro político, sendo que, uma vitória de Everaldo naquele momento significaria, na concepção do governo, uma derrota de proporções imensuráveis, tendo em vista, principalmente, as eleições 2018. Mas, para tentar evitar que o inesperado acontecesse o governo se mostrou frágil ao negociar com a Câmara”, disse um dos espectadores da sessão.

Comenta-se pelos corredores da política novogamense que o Secretário de Infraestrutura do município, esposo e principal articulador político do atual governo Marinaldo Almeida, esteve momentos antes da sessão na Câmara de Vereadores tentando articular com os parlamentares. Mas, segundo alguns, o tom não era dos mais amistosos e houve um entendimento de que o secretário tentava intimidar os vereadores para que esses votassem com o parecer do TCM, o que poderia justificar um desconforto entre a Câmara e o Executivo. Em certo momento o Secretário foi interrompido com as presenças de dois outros vereadores que adentraram na sala de reuniões solicitado da presidente vereadora Ilma do Baduca, o início da sessão, que, segundo eles, já estava atrasada. Foi aí que a reunião a tal terminou e a fatídica sessão, para o governo, teve início.

Há alguns dias, era sabido de que Everaldo não tinha forças o suficiente para reverter o quadro junto aos vereadores (segundo fontes, possuía apenas quatro votos no Legislativo, enquanto precisava de no mínimo dez), aonde muitos já dava como encerrada sua carreira política, pelo menos pelos próximos oito anos. Mas, como se diz no futebol, “aos 48 minutos do segundo tempo e o juiz com o apito na boca prestes a encerrar o jogo”, Everaldo reverte o placar e tem sua carreira política garantida por 10X04, ou seja, dois terços dos membros do legislativo garantiram o seu futuro político.

Outros supunham que, em se tratando de Everaldo, houve alguma negociata entre o ex-gestor e os vereadores, mas, essa possibilidade é quase que nula devido à competência demonstrada pela Câmara, tendo em vista ainda a justificativa apresentada por eles para a aprovação das contas, ou seja, não houve critério do TCM ao apresentar o parecer desfavorável. “Eles disseram que o ex-prefeito gastou um percentual menor do que o previsto em lei, mas, não levaram em consideração que nesse percentual por eles apresentado, não constavam gastos com aluguel de imóveis e compra de material, o que o elevaria a valores superiores aos previstos por lei”, explicou o vereador Pastor Cícero.

Com relação ao suposto escândalo conhecido como “material de limpeza”, Cícero explicou que não constou no relatório alguma recomendação quanto a inclusão do fato no parecer final, apenas no seu início uma “pequena citação”, mas, que o TCM não o incluiu no parecer final. “Como poderíamos citar esse fato na pauta se ele sequer constava no parecer final do TCM, o que fizemos foi analisar o que ele citou, ou seja, recomendaram a reprovação por percentuais não gastos, o que por si já se justificam”, enfatizou o vereador. Ele ainda completou dizendo do zelo que todos os vereadores tem pelo mandato e do compromisso pela população. “Seriamos levianos em aprovar ou reprovar algo que não está em conformidade com a legislação, pois, foi para isto que fomos eleitos, agora o que não podemos é ser chacoteado por quem quer que seja, por fatos inexistentes e criados por pessoas que tem interesses político-partidários e pessoais. Aqui na Câmara, muitas vezes fazemos o papel de juízes e temos que ter a certeza do que vamos votar, pois as consequências muitas vezes são irreversíveis”, disse.

Dos vereadores que votaram contra o parecer do TCM, apenas Ilma do Baduca é veterana na Casa de Leis. Os demais são novados no Legislativo. São eles: Celso Carvalho (PMDB), Cláudio Big Lar (PMDB) e André Logos (PSDB).

Por sua vez, os que defenderam a aprovação das contas de Everealdo e votaram contra o relatório do TCM, são eles: Adriano do Transporte (PSB), Cid da Meios (Prós), Pastor Cicero (PRB), Christovam Machado (PSDC), Gessivam - “BB” (PSDB), Zé Lopes (PMN), Medeiros – DEM, Neto Dantas (PTN), Pelé (PR) e Roberto de Vicentin (PCdoB). Já o vereador Ricardo Construtor (PP), se absteve da votação.

Em análise da votação, foi notória a derrota do governo no processo, tendo em vista que Everaldo é o principal rival político de Sônia Chaves em Novo Gama, bem como, o governo perde a força junto a Câmara de Vereadores, pois, entre os dez que votaram em favor de Everaldo seis eram considerados até poucos instantes da votação, como sendo da base do governo. Com isso o Executivo sai enfraquecido politicamente e fica na certeza de que terá que negociar muito com o Legislativo para conseguir aprovar projetos de seu interesse durante o mandato.

Outro fato que chamou a atenção na votação é que apenas dois vereadores faziam parte da base de apoio ao ex-prefeito, os demais faziam parte de um dos grupos que concorreram as eleições passadas (PSDB ou PRB), ou seja, seria quase impossível que Everaldo conquistasse a simpatia desses. Mas, o improvável aconteceu e o ex-mandatário conseguiu retirar apoio dos grupos de Alan do Sacolão e Sônia Chaves, ambos até então, considerados seus adversários políticos, ou seja, enganava-se aquele que achava que Everaldo estivesse morto para a política. “É impossível que uma pessoa que terminou recentemente o seu mandato de forma tão melancólica, sem o apoio de qualquer seguimento político no município, bem como do povo conseguisse esse feito. Realmente esse moço tem a política nas veias”, comentou o comerciante José de Araújo Neto, presente na sessão.

Após a votação, os dez vereadores que aprovaram as contas do ex-gestor começaram a ser rechaçados nas redes sociais, principalmente por pessoas ligadas ao Executivo, bem como serem expostos através de panfletos apócrifos espalhados pela cidade. “Entendemos que a situação pós-sessão é política e a resposta de alguns seguimentos políticos que eram contrários à aprovação das contas do ex-prefeito seria esta. Assim temos a tranquilidade de que fizemos a coisa certa, sem interesse político-partidário, fizemos o que era correto naquele momento e não poderíamos nos furtar de cumprir a lei para favorecer aqueles que são adversários políticos desse ou daquele. Isso que fizemos é compromisso com a sociedade e não com o indivíduo”, finalizou Pastor Cícero.

O maior vencedor dessa batalha é Everaldo Vidal que, segundo fontes confiáveis começará a sua caminhada visando às próximas eleições para a Câmara Estadual, podendo “melar” os planos da atual gestão em lançar candidato ou até mesmo apoiar um nome de fora.

Possível candidato para deputado estadual, Everaldo dependia apenas da aprovação das contas da sua gestão. A desaprovação pela Câmara Municipal geraria inelegibilidade.

Conforme decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) é de competência das Câmaras Municipais julgarem contas de prefeitos, apesar de parecer do TCM, que se torna apenas opinativo.


Procurados para comentar a decisão da Câmara, nem Sônia Chaves, tampouco Everaldo Vidal atenderam as ligações, tampouco autorizaram representantes falar por eles. O que se sabe nesse momento que o após a tal sessão os jantares estão sendo indigestos para uns e banquetes para outros.


Fonte - Agência Satélite

Postar um comentário

0 Comentários