Polícia procura acusado de cometer o primeiro feminicídio do ano no DF

Crime ocorreu no conjunto D da QNN 3, em Ceilândia, na noite de sexta-feira (8/1). Um dos filhos da vítima presenciou a morte da mãe

ARQUIVO PESSOAL

Agentes da Delegacia Especial de Atendimento a Mulher II (Deam II), fazem diligências nas ruas do Distrito Federal, na manhã deste sábado (9/1), à procura do acusado de matar Isabel Ferreira Alves (foto de destaque), de 37 anos, no conjunto D da QNN 3, em Ceilândia, por volta das 21h de sexta-feira (8/1).

A vítima foi morta a facadas pelo companheiro dentro da residência onde o casal morava. Isabel trabalhava como auxiliar de serviços gerais em um shopping da capital da república e deixa três filhos.

O homem, de 36 anos, teria agredido a mulher em casa, com uma faca, após uma discussão. Ele fugiu em seguida e está foragido.

Delegacia Especial de Atendimento à Mulher IIDivulgação/PCDF

A delegada responsável pela investigação, Adriana Romana, disse que testemunhas relataram que o acusado estava alcoolizado e drogado no momento do crime. “Ele queria uma quantia de R$ 300 e Isabel disse que não tinha esse dinheiro e sairia de casa para arrumar o valor com os vizinhos. O autor a impediu de sair do imóvel e a matou com golpes de faca na presença do filho dela de 15 anos”, explicou a delegada-chefe da Deam II.

“O delegado plantonista foi ao local e realizamos perícia e diligências para realizar a prisão do autor. Já representamos pela prisão preventiva e aguardamos a decisão do judiciário para cumprir esse mandado de prisão”, acrescentou Romana.

Esse é o primeiro caso de feminicídio registrado no DF em 2021.

Um dos filhos de Isabel, um adolescente, estava em casa no momento do crime. Ele tentou impedir que o agressor matasse a mãe, mas foi ameaçado pelo padrasto.

O Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF) foi acionado pelo jovem. No entanto, quando os militares chegaram ao local do crime, a mulher já estava sem sinais vitais.

A Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) foi ao local, mas o autor já havia fugido. O caso é investigado pela Deam II.

Fonte - Metrópoles

Postar um comentário

0 Comentários