Page Nav

HIDE

Últimas notícias:

latest

CAMPANHA - COMBATE A DENGUE


DESCASO - Urina, fezes e fome: idoso é abandonado por família em casa no DF


Aos 74 anos, vítima mora sozinha e vive abandonada na própria residência, em Ceilândia

Reprodução/Material cedido ao Metrópoles

Inconformado, um morador do Entorno do DF denunciou a situação precária a qual um idoso, de 74 anos, tem vivido dentro da própria casa, em Ceilândia. O comerciante, de 44 anos, que pediu para não ser identificado, já fez duas visitas ao homem, para alimentar, higienizar e trocar os lençóis da cama onde o senhor dorme. A vítima, que tem baixa visão, dificuldade de locomoção e faz uso de fralda geriátrica, é amiga dos pais do denunciante. Apesar de ter acionado a Polícia Civil do DF e o Disque 100, a vítima segue abandonada, vivendo em condições de insalubridade.

Por meio de imagens obtidas pelo Metrópoles é possível perceber o ambiente caótico. Há urina e fezes de cachorro no quarto onde uma cadeira de rodas é armazenada. No quarto onde o idoso dorme, o lençol está repleto de sujeira, manchado e rasgado, fora a quantidade de objetos, como garrafas, cinzeiro e potes, espalhados no local.


Segundo o denunciante, o idoso vive sozinho há cerca de três meses, após uma sobrinha, que morava com ele, se mudar. Os dois filhos do homem não se dispuseram a ajudar nos cuidados com o pai. Quem tomava conta dele era a própria mãe, que faleceu há cerca de um ano.

“A situação que eu vi lá, não desejo aquilo ali para ninguém. Ele conseguiu achar o número da minha mãe nas coisas dele e ligou pedindo ajuda, pois estava há dois dias sem comer. A situação é insalubre mesmo, de abandono de incapaz. Até a cachorra [que mora com ele] estava morrendo de fome. Ele tem um braço quebrado que não consegue mexer”, conta o comerciante, que mora em Águas Lindas. Segundo ele, o idoso passou a precisar de atenção e cuidados especiais depois de ser atropelado, ainda na juventude.

Na última semana, o comerciante denunciou, de forma anônima, a situação à 23ª Delegacia de Polícia (Ceilândia) e ao Disque 100. Porém, até a última atualização desta reportagem, nenhuma medida prática foi adotada.

O Metrópoles questionou a PCDF sobre o desdobramento das denúncias, mas não obteve retorno até a publicação deste texto. Um dos filhos do idoso também foi procurado por contato telefônico, via WhatsApp e ligação, mas não respondeu aos questionamentos da reportagem. O espaço segue aberto para eventuais manifestações.
Saiba como denunciar

Em regra, a vítima idosa é o lado mais frágil da relação abusiva, por conta da necessidade de ser cuidada por parentes. A depender do grau de relação do idoso com o agressor, a vítima tende a não dar prosseguimento à denúncia. Desse modo, a atenção de amigos e vizinhos a qualquer sinal de maus-tratos é primordial. A orientação das autoridades é que essas pessoas acionem as instituições e notifiquem os órgãos competentes, como o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), Polícia Militar, Polícia Civil e Disque 100.

Em vigor desde o ano passado, a Procuradoria do Idoso funciona de segunda a sexta-feira, na sede da Câmara Legislativa do DF (CLDF), das 8h às 18h, no terceiro andar do prédio, sala 3.37. Os telefones para contato são: 3348-8722 ou 3348-8723.

Desde 2016, a Polícia Civil do DF tem a Delegacia Especial de Repressão aos Crimes por Discriminação Racial, Religiosa, ou por Orientação Sexual, ou Contra a Pessoa Idosa ou com Deficiência (Decrin). Além de na delegacia especializada, denúncias podem ser feitas no 197 Denúncia On-line, no telefone 197, no e-mail denuncia197@pcdf.df.gov.br e no WhatsApp (61) 98626-1197.

As denúncias de violações de direitos da pessoa idosa também podem ser encaminhadas diretamente para a Promotoria da Pessoa Idosa (Projid), por email (projid@mpdft.mp.br), ou para a Ouvidoria do MPDFT, que também recebe denúncias anônimas por meio de formulário eletrônico ou pelo telefone 0800-644 9500.

Fonte - Metrópoles

Nenhum comentário




Latest Articles